20:29 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    360
    Nos siga no

    O buraco negro 4U 1755-338, localizado perto do centro de nossa galáxia, não deu sinal de vida durante os últimos 24 anos, mas agora foi detectada uma explosão de raios X.

    Descoberto nos anos 1970 pelo Observatório Espacial de Raios X Uhuru da NASA, o referido buraco negro se manteve sem atividade visível durante quase um quarto de século. Por essa razão, foi com surpresa que em 1º de abril, astrônomos do observatório espacial russo de raios X Spektr-RG (instalado na órbita da Terra) assistiram ao "despertar" do 4U 1755-338 - após este ter "mantido o silêncio" durante quase um quarto de século, soube a Sputnik do Instituto de Investigação Espacial da Academia de Ciências da Rússia.

    ​O telescópio russo ART-XC do observatório #SpectrRG registrou uma fonte brilhante de raios X no centro da galáxia

    Se trata do buraco negro 4U 1755-338. Muito provavelmente, o telescópio ART-XC está observando o início de um novo flash a partir deste buraco negro

    Os astrônomos, ao utilizar o telescópio ART-XC para detectar uma fonte de raios X perto do centro da Via Láctea, acabaram constatando se tratar do buraco negro 4U 1755-338 em plena atividade, que desde 1996 se mantinha "silencioso".

    Os astrofísicos opinam que o fenômeno provavelmente está relacionado com o processo de acumulação ou atração de matéria de uma estrela próxima pelo buraco negro em questão.

    Vale recordar que um buraco negro é uma região do espaço-tempo em que o campo gravitacional é tão forte que nenhuma partícula, nem mesma a luz, pode escapar dele.

    Mais:

    Caos galáctico: fenômenos espaciais provocam 'tsunamis massivos' a nível interestelar
    Buracos negros supermassivos afinal já existiam bem no início do Universo, segundo estudo
    Comparação de buracos negros do Universo fará explodir sua imaginação (VÍDEO)
    Tags:
    buraco negro, espaço, telescópio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar