03:00 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    282
    Nos siga no

    Antigo fóssil de peixe encontrado no Canadá revelou novas pistas sobre como a mão humana evoluiu a partir das barbatanas dos peixes.

    Em um artigo publicado ontem (18) na revista Nature, cientistas canadenses e australianos estudaram um antigo fóssil de peixe do gênero Elpistostege encontrado em Miguasha, Canadá, determinando o elo evolutivo que faltava no conhecimento da transição dos peixes para os tetrápodes (animais de quatro membros). Esse processo ocorreu à medida que os peixes começaram a incursão em habitats de águas rasas e terras costeiras durante o período do Devoniano Tardio, há cerca de 400 milhões de anos.

    Fóssil completo de peixe

    O fóssil estudado, de um peixe de 1,57 metro, é o primeiro da ordem Elpistostegalia encontrado completo.

    Foi a primeira vez que se encontrou a totalidade do esqueleto do membro (barbatana peitoral) de um peixe elpistostegaliano.

    Recorrendo a tomografias computadorizadas de alta energia, o esqueleto da barbatana peitoral revelou a presença de um úmero (braço), rádio e ulna (antebraço), fileiras de carpo (punho) e falanges organizadas em dígitos (dedos).

    "Esta é a primeira vez que descobrimos inequivocamente dedos em uma barbatana. Os dígitos articulados na barbatana são como os ossos dos dedos encontrados nos membros da maioria dos animais", afirmou o paleontólogo australiano John Long, um dos autores do estudo, para quem a descoberta revela "novas informações extraordinárias sobre a evolução do membro superior dos vertebrados".

    "Esta descoberta remete a origem dos dígitos (dedos) nos vertebrados para a era dos peixes", mostrando que esse processo evolutivo começou quando alguns peixes começaram a sair da água, acrescentou o cientista.

    Habitat muda da água para a terra

    A evolução dos peixes para tetrápodes, seres vertebrados de quatro patas como os humanos, foi um dos fenômenos mais significativos da história da vida na Terra, quando os vertebrados saíram da água para conquistar a terra.

    Para que tal pudesse acontecer, teria de processar-se a necessária evolução dos membros dos animais.

    Para determinar como se processou essa evolução de uma barbatana de peixe para um membro de um tetrápode, os paleontólogos estudaram fósseis de outros peixes pré-históricos com barbatanas de lóbulo pertencentes ao período Devoniano Médio e Superior (393-359 milhões de anos atrás), igualmente da ordem Elpistostegalia, por serem os mais aparentados aos futuros tetrápodes, como o conhecido Tiktaalik, encontrado na zona ártica do Canadá.

    Para o coautor Richard Cloutier, os fósseis encontrados na última década ajudaram a entender melhor as transformações anatômicas da transição dos peixes para os animais de quatro patas, sobretudo as respeitantes à respiração, audição e alimentação, por o habitat ter mudado da água para a terra.

    "A origem dos dedos está relacionada à necessidade dos peixes de suportar seu peso em águas rasas ou para viagens curtas em terra", disse Cloutier, acrescentando que o aumento do número de pequenos ossos na barbatana permitia distribuir melhor o peso do corpo.

    O estudo revelou igualmente que, em relação à estrutura do osso do antebraço ou úmero, há características compartilhadas com os anfíbios primitivos.

    Não sendo propriamente um ancestral dos humanos, o Elpistostege encontrado é o mais próximo fóssil de transição até agora detectado, ou seja, um elo intermediário entre os peixes e os tetrápodes, asseguram os cientistas.

    O Elpistostege era o maior predador a viver em um habitat marinho de águas rasas no estuário do Québec há cerca de 380 milhões de anos, possuindo dentes poderosos e afiados.

    Mais:

    Frota de satélites de Musk pode atrapalhar busca por asteroides perigosos para Terra, aponta estudo
    Humanidade não está preparada para 'Guerra dos Mundos', afirma ufólogo
    Como pode haver gelo em Mercúrio a 400 °C? Cientistas explicam
    Tags:
    arqueologia, peixe, fóssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar