10:33 07 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    130
    Nos siga no

    Uma equipe de pesquisadores britânicos conseguiu recriar a voz do padre egípcio Nesyamun, que foi mumificado há 3.000 anos, usando tomografia computadorizada, impressão 3D e laringe eletrônica.

    Após cerca de três milênios de silêncio, a múmia consegue "falar" novamente após sua morte graças a cientistas britânicos, que mapearam cuidadosamente o trato vocal bem preservado do padre para replicação em uma impressora 3D.

    O resultado foi publicado na revista Nature juntamente com um vídeo que registra a voz de Nesyamun.

    ​Múmia, consegue me ouvir? Os pesquisadores dizem que imitaram a voz de uma múmia egípcia de 3.000 anos recriando grande parte de suas cordas vocais através de tomografia computadorizada, impressão 3D e uma laringe eletrônica

    Esse projeto, que foi a primeira tentativa bem-sucedida de reproduzir artificialmente a voz de uma pessoa falecida, proporcionou uma "oportunidade única de ouvir o som de alguém morto há muito", disse Joann Fletcher, professor de arqueologia da Universidade de York e coautor do estudo.

    Tendo vivido no reinado do faraó Ramsés XI e cumprindo seus deveres sacerdotais no complexo do templo de Karnak, Nesyamun era originário da cidade de Tebas e viveu por volta de 1.100 a.C.

    "Na verdade, está escrito no seu sarcófago - era o que ele [Nesyamun] queria. De certa forma, conseguimos tornar esse desejo realidade", explicou Fletcher à BBC sobre o "desejo expresso" do padre de ser ouvido após a morte.

    No futuro, os pesquisadores tentarão "gerar palavras e juntar essas palavras para fazer sentenças", disse Fletcher, acrescentando "esperamos poder criar uma versão do que ele teria dito no templo de Karnak".

    Mais:

    Pesquisadores descobrem evidências de doença cardíaca em múmias
    Rajada de vento revela múmia de 2.000 anos no Egito
    Scanner a infravermelhos revela tatuagens figurativas em múmias do Antigo Egito
    Tags:
    impressão em 3D, voz, Egito, múmia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar