15:24 19 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    9180
    Nos siga no

    A agência espacial norte-americana NASA pagou cerca de quatro bilhões de dólares para Rússia pelo transporte de astronautas de ida e volta da Estação Espacial Internacional (EEI).

    De acordo com um relatório emitido pelo gabinete do inspetor-geral Paul Martin, durante os últimos 20 anos foram realizados 85 voos, que transportaram 239 astronautas até a EEI em ônibus espaciais da NASA ou em naves espaciais russas Soyuz.

    "No entanto, desde que foi concluído em 2011 o programa de ônibus espaciais, as naves Soyuz têm servido como o único meio de transporte de astronautas de ida e volta da Estação Espacial Internacional", lê-se no relatório, aponta The Washington Post.

    "Até julho de 2019, a NASA comprou 70 assentos em naves espaciais russas por US$ 3,9 bilhões [R$ 16,2 bilhões] para transportar 70 astronautas dos Estados Unidos e de seus sócios de e para a estação", destaca o relatório.

    Em 2010, a NASA assinou uma série de acordos com empresas aeroespaciais dos EUA para desenvolvimento de tecnologias e subsistemas comerciais de transporte de tripulação a fim de garantir transporte seguro, confiável e rentável de ida e volta da EEI, porém há atrasos na execução do programa.

    As empresas Boeing e SpaceX estão trabalhando para realizar os primeiros testes de voos tripulados antes de executar 12 missões operacionais para a NASA, para transportar pelo menos 48 astronautas para a Estação Espacial Internacional até 2024.

    Porém, ambas as companhias estão tentando resolver problemas técnicos e de segurança para obterem a autorização de transporte de tripulações para a EEI.

    Mais:

    A 400 km da Terra: astronauta na EEI tira FOTOS inigualáveis de colegas no espaço aberto
    Análise: EUA provavelmente impedirão que Rússia envie astronauta iraniano para EEI
    Tags:
    EEI (Estação Espacial Internacional), Rússia, cosmonauta, astronauta, Soyuz, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar