10:56 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Nova nave espacial da Boeing, Starline, passa por testes, no dia 4 de novembro de 2019

    Nova nave espacial da Boeing não é segura para a tripulação, diz cosmonauta

    © AP Photo / NASA
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    310
    Nos siga no

    A nova nave espacial Starliner, desenvolvida pela companhia norte-americana Boeing, não está pronta para lançamentos tripulados, uma vez que não apresenta condições satisfatórias de segurança para a tripulação, acredita o cosmonauta russo Pavel Vinogradov.

    O cosmonauta, condecorado como Herói da Rússia, explica que o teste do sistema de paraquedas da nave não foi realizado com sucesso.

    Nesta segunda-feira (4), a empresa norte-americana efetuou testes do sistema de resgate de emergência da sua nova nave espacial tripulada Starliner. Os testes foram realizados no polígono de White Sands, no estado norte-americano do Novo México. Um dos três paraquedas falhou durante o teste.

    A agência espacial norte-americana, NASA, considerou a condição da nave como "aceitável" quanto à segurança da tripulação. Os resultados insatisfatórios dos testes não afetaram de maneira nenhuma o cronograma para o próximo lançamento não tripulado da nave, previsto para ocorrer em 17 de dezembro.

    Nova nave espacial desenvolvida pela Boeing passa por testes nos EUA, em 4 de novembro de 2019. Houve falha na abertura de três paraquedas
    Nova nave espacial desenvolvida pela Boeing passa por testes nos EUA, em 4 de novembro de 2019. Houve falha na abertura de três paraquedas

    A nova nave Starliner deve substituir o ônibus espacial Space Shuttle, que está fora de operação. Desde 2011, os astronautas norte-americanos têm utilizado naves espaciais russas Soyuz para se dirigir à Estação Espacial Internacional.

    "Não podemos falar de 'segurança' em um caso como este. Essa espaçonave não deve ser lançada, muito menos com tripulação", disse Vinogradov à Sputnik.

    De acordo com o cosmonauta, os testes mostraram que o sistema de paraquedas deve ser melhorado, assim como todo o sistema de resgate de emergência da nave norte-americana.

    Vinogradov acrescentou que é permitido utilizar os sistemas de paraquedas com múltiplas cúpulas em caso de falha de uma das cúpulas, mas ninguém fará um voo tripulado real até atingir um funcionamento de 100% do sistema de paraquedas.

    "Não deve haver permissão de voo para pouso com dois paraquedas', disse o cosmonauta.

    Vinogradov explicou que, por exemplo, a Soyuz russa retorna a Terra com auxílio de um paraquedas grande, mas a nave tem sempre um paraquedas de reserva.

    Cosmonautas russos Pavel Vinogradov e Aleksandr Misurkin se preparam para lançamento da nave Soyuz TMA-M, junto com o astronauta norte-americano Christopher Cassidy (à esquerda)
    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Cosmonautas russos Pavel Vinogradov e Aleksandr Misurkin se preparam para lançamento da nave Soyuz TMA-M, junto com o astronauta norte-americano Christopher Cassidy (à esquerda)

    A Rússia está desenvolvendo uma nova nave espacial, conhecida como Orel, na qual está previsto o uso de três paraquedas.

    Mais:

    Colonizando o espaço: empresa russa deverá instalar base na Lua em breve
    Como serão travadas as guerras espaciais? Físicos fazem suas apostas
    'Minha família não voará no Boeing 737 Max', afirma engenheiro aeronáutico
    Nave Soyuz com 3 tripulantes a bordo é acoplada à Estação Espacial Internacional (VÍDEO)
    Tags:
    Pavel Vinogradov, Soyuz, Boeing, NASA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar