18:21 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 130
    Nos siga no

    Processos analisados pelos ministros da Corte guardam semelhanças com as investigações envolvendo o senador Flávio Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro, filhos do presidente Jair Bolsonaro.

    Dos dez ministros que compõem atualmente o Supremo Tribunal Federal (STF), pelo menos cinco já se posicionaram contra a prática de rachadinha em julgamentos ocorridos, seja no STF, seja no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mostra levantamento realizado pelo jornal O Globo nesta terça-feira (12).

    Os ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, e Alexandre de Moraes já apontaram em decisões que se trata de um crime, com desvio de recursos públicos.

    ​Não há consenso sobre como a prática deve ser encarada no mundo jurídico. A mídia destaca que há ações de improbidade administrativa e eleitorais na Justiça em que, mesmo com o esquema comprovado, políticos se livraram de punição porque o entendimento foi que não houve dano ao patrimônio público, uma vez que o salário do servidor constituía recurso privado.

    Os cinco ministros citados acima, contudo, coincidiram e afirmaram em seus votos que a prática é crime com desvios de recursos públicos, mas nem sempre, porém, condenaram os acusados.

    Em Rio Branco (AC), Jair Bolsonaro se irrita e encerra coletiva ao ser perguntado sobre investigação de Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas, no dia 24 de fevereiro de 2021
    © Foto / Reprodução Redes Sociais
    Em Rio Branco (AC), Jair Bolsonaro se irrita e encerra coletiva ao ser perguntado sobre investigação de Flávio Bolsonaro no caso das "rachadinhas"

    Os processos analisados pelos ministros do STF possuem semelhanças com as investigações envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), acusado de ficar com parte dos salários dos servidores de seu gabinete na época em que era deputado estadual.

    O Ministério Público do Rio (MP-RJ) também investiga suposta rachadinha no gabinete parlamentar do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), irmão de Flávio. No fim de setembro, o MP-RJ informou à Justiça fluminense ter "indícios suficientes" de desvio de dinheiro público no gabinete do vereador, através da nomeação de funcionários fantasmas entre 2001 e 2019.

    Mais:

    Datafolha: 58% da população acha Flávio Bolsonaro culpado em caso das 'rachadinhas'
    MP do Rio encerra órgão que investigou suposta 'rachadinha' de Flávio Bolsonaro
    Rachadinha: STJ nega recurso de Flávio Bolsonaro contra relatórios do COAF
    Com rachadinhas, Bolsonaro perde projeção junto a eleitor médio, afirma cientista político
    Tags:
    Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro, rachadura, Supremo Tribunal Federal, Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Alexandre de Moraes, crime, crime, peculato
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar