14:18 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil contra coronavírus no final de junho de 2021 (27)
    4161
    Nos siga no

    Diante dos depoimentos prestados, a CPI começou a apurar mais de perto a compra de vacinas contra a COVID-19 pelo governo. AstraZeneca se defende dizendo que não houve terceiro representante envolvido nos acordos com Ministério da Saúde.

    Nesta terça-feira (29), o presidente da CPI, senador Osmar Aziz (PSD-AM), anunciou que vai apurar sobre uma suposta negociação paralela para compra das vacinas da AstraZeneca. Aziz afirmou que a a negociação é uma nova linha de investigação, segundo o G1.

    Durante o depoimento dos irmãos Miranda, no dia 25 de junho, o servidor da Saúde, Luis Ricardo Miranda, contou que o seu colega do Ministério da Saúde, Rodrigo de Lima, ouviu de outra pessoa que "estavam pedindo propina" para uma negociação de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca entre o ministério e a empresa Davati Medical Supply.

    Segundo a mídia, a proposta foi enviada ao ministério através de um documento no dia 26 de fevereiro de 2021.

    O destinatário da mensagem era Roberto Dias Ferreira, diretor de logística do ministério, ligado ao líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR).

    No mesmo dia, o Departamento de Logística do Ministério da Saúde propôs uma reunião e respondeu a um e-mail, dizendo que "havia total interesse na aquisição das vacinas, desde que atendidos os requisitos exigidos".

    O vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse estranhar o governo federal negociar  com um intermediário. "A AstraZeneca era a parceira do governo federal. Por que uma negociação paralela com um intermediário?" indagou.

    A farmacêutica é, de fato, parceira do governo federal na produção da vacina na Fiocruz. A AstraZeneca negou que tenha participado da negociação e que não utiliza intermediário nesse tipo de transação.

    "No momento, todas as doses de vacinas estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo", declarou a farmacêutica.

    Perguntada objetivamente se em algum momento teve a Davati como representante afirmou, a AstraZeneca disse que "não houve representante da AstraZeneca [nessa comunicação] e as vacinas são disponibilizadas por meio de acordos com o Ministério da Saúde e com a Fiocruz".

    A CPI investiga nesse momento a denúncia feita em torno da compra do imunizante indiano Covaxin. Há suposto superfaturamento na compra das vacinas e envolvimento de Ricardo Barros (PP-PR), nas transações.

    Tema:
    Brasil contra coronavírus no final de junho de 2021 (27)

    Mais:

    Covaxin: Flávio Bolsonaro participou de reunião com representante da farmacêutica, diz mídia
    Covaxin na CPI: comissão prepara notícia-crime contra Bolsonaro; deputado cita líder do governo
    Bolsonaro sobre compra da Covaxin: 'Não tenho como saber o que acontece nos ministérios'
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, vacina, imunizante
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar