10:59 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)
    5414
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik Brasil, professor da FGV analisa consequências geopolíticas da transferência de tecnologia dos EUA para a produção no Brasil do Ingrediente Farmacêutico Ativo da vacina contra a COVID-19.

    O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, recebeu na quarta-feira (2) tecnologia para iniciar a produção 100% nacional do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina Oxford/AstraZeneca contra a COVID-19.

    O material foi enviado pelos EUA e vai substituir o IFA importado da China.

    ​Para entender melhor as implicações geopolíticas desse gesto da administração de Joe Biden, a Sputnik Brasil conversou com Antonio Gelis Filho, docente sênior de Geopolítica da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP).

    Interesse sanitário

    A notícia da chegada do IFA dos EUA foi sucedida pelo anúncio, na quinta-feira (3), de que Washington doará 80 milhões de doses de vacinas contra a COVID-19 nas próximas semanas e o Brasil está na lista dos 40 países que receberão parte desse lote.

    Com o avanço por todo o país da variante P.1, que surgiu em Manaus, e com a chegada de novas cepas, como a indiana (B.1.617.2), Antonio Gelis Filho afirma que há um interesse sanitário dos EUA no Brasil.

    "Os EUA e o Brasil possuem um fluxo grande […]. As chances de novas cepas avançarem no caso de descontrole, e hoje temos uma pandemia completamente fora de controle no Brasil, é grande", alerta.
    Imagem colorida de microscópio eletrônico de varredura mostra uma célula fortemente infectada com partículas do SARS-CoV-2, também conhecido como novo coronavírus
    © REUTERS / NIAID / NIH / Handout
    Imagem colorida de microscópio eletrônico de varredura mostra uma célula fortemente infectada com partículas do SARS-CoV-2, também conhecido como novo coronavírus

    Brasil é alvo de soft power

    O caráter sanitário, todavia, não é o único motivo para as ações recentes dos EUA. O professor da FGV afirma que, no caso da transferência de tecnologia de IFAs, "é uma tática que me parece descolada de estratégica" e que o Brasil vai continuar importando insumos da China.

    "Os EUA estão agindo para não ficar para trás. A gente tem produção [de vacinas contra a COVID-19] hoje na Índia, na Rússia, na China. Os insumos de vacinas ocidentais dependem em muitos casos da China também. O governo americano hoje não tem mais estratégia, tem apenas tática".

    Antonio Gelis Filho destaca que o Brasil é hoje uma espécie de front da guerra de soft power (também chamado de poder brando ou poder de convencimento) entre dois polos: EUA e Reino Unido, por um lado, e China e Rússia, do outro.

    "Eu diria que boa parte da disputa mundial por soft power que nós temos hoje [é] por esses dois polos de poder […]. Se o Brasil jogar bem, nós podemos extrair bastante do fato de sermos a frente da disputa por soft power global."
    Ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, gesticula durante depoimento na CPI da Covid, Senado Federal, Brasília, 18 de maio de 2021
    © REUTERS / Adriano Machado
    Ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, gesticula durante depoimento na CPI da Covid, Senado Federal, Brasília, 18 de maio de 2021

    Papel do Itamaraty

    Questionado sobre uma possível participação do Ministério das Relações Exteriores do Brasil na chegada de tecnologia de IFAs ao país, ao Brasil, o professor da FGV minimiza essa atuação.

    "A ação dele [ex-chanceler Ernesto Araújo] no Itamaraty foi uma das mais erráticas que nós vimos na diplomacia mundial em muito tempo. Não quero desrespeitá-lo, não é esse meu ponto, mas algumas coisas foram muito estranhas. Não é necessário que tenha havido uma ação do Itamaraty de forma unificada para que nós tenhamos uma volta de um mínimo de normalidade diplomática, acho que isso viria de qualquer forma", comenta.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 no início de junho de 2021 (42)

    Mais:

    COVID-19: Argentina recebe autorização da Rússia para fabricar vacina Sputnik V
    CPI da Covid: médica vetada na secretaria de Enfrentamento à pandemia é contra uso da cloroquina
    CPI da Covid: resposta do governo à pandemia ou novo 'teatro' do Brasil?
    Fauci diz que e-mails divulgados sobre origens da COVID-19 foram 'retirados do contexto'
    Tags:
    pandemia, novo coronavírus, soft power, China, EUA, vacinação, vacina, vacina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar