02:32 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil vs. coronavírus no fim de maio de 2021 (47)
    565
    Nos siga no

    O YouTube removeu pelo menos 11 vídeos do presidente Jair Bolsonaro com recomendações ao uso de cloroquina para tratar a COVID-19. O medicamento é ineficaz contra a doença.

    A decisão decorre de uma atualização da política da empresa, feita em abril, que prevê a exclusão de vídeos que recomendem remédios sem eficácia contra o coronavírus, como a cloroquina e a ivermectina.

    O levantamento sobre as remoções é da empresa de análise de dados Novelo Data e foi noticiado pelo G1.

    Dentre os vídeos removidos de Bolsonaro, estão duas transmissões ao vivo feitas em março e abril de 2020 e outros vídeos com os títulos "A Hidroxicloroquina cada vez mais demonstra sua eficácia em portadores do COVID-19" e "Fox News mostra estudos sobre a eficácia da Hidroxicloroquina no combate ao Coronavírus".

    O presidente Jair Bolsonaro recomendou o uso de cloroquina contra a COVID-19. Foto de arquivo
    O presidente Jair Bolsonaro recomendou o uso de cloroquina contra a COVID-19. Foto de arquivo

    Ao acessar os links, os usuários encontram a seguinte mensagem: "Este vídeo foi removido por violar as diretrizes da comunidade do YouTube".

    Em abril deste ano, cinco publicações da conta do presidente que continham o mesmo tema já haviam sido derrubadas.

    Ainda de acordo com o G1, outros três vídeos foram removidos: um do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), outro do deputado Daniel Silveira (PSL), preso pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e um do ex-senador Magno Malta, do Espírito Santo.

    Tema:
    Brasil vs. coronavírus no fim de maio de 2021 (47)

    Mais:

    CPI da Covid aprova convocação de 9 governadores
    Como os atos contra Bolsonaro podem impactar o governo e a CPI da Covid?
    Brasil registra 2.398 mortes e 80.486 casos de COVID-19 em 24 horas
    Tags:
    vídeos, Youtube, presidente, Jair Bolsonaro, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar