23:32 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    020
    Nos siga no

    Além do afastamento definitivo de Wilson Witzel do cargo de governador do estado do Rio de Janeiro, o Tribunal Especial Misto encarregado do julgamento do impeachment também aprovou, na noite desta sexta-feira (30), a inelegibilidade do político por cinco anos.

    Mais cedo, o tribunal formado por cinco deputados e cinco desembargadores decidiu de forma unânime pela destituição do ex-governador por crime de responsabilidade. Em seguida, por 9 votos a 1, decidiram também torná-lo inelegível por cinco anos. Apenas o deputado Alexandre Freitas (Novo) votou de forma diferente, defendendo uma inabilitação de quatro anos.

    ​Denunciado pelo Ministério Público e réu pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro durante a gestão da pandemia da COVID-19 no Rio de Janeiro, Witzel já estava afastado do governo desde agosto, por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

    ​O ex-governador é acusado de ter participado de um grande esquema de desvio de verbas do Fundo Estadual de Saúde, com irregularidades na contratação dos hospitais de campanha, respiradores e medicamentos utilizados no contexto do surto do novo coronavírus. Ele, no entanto, se declara inocente.

    Witzel é o primeiro governador brasileiro a ser afastado em definitivo do cargo através de um processo de impeachment. Antes dele, em setembro de 1957, Sebastião Marinho Muniz Falcão, então governador de Alagoas, também chegou a sofrer um impeachment, mas acabou sendo reconduzido ao cargo quatro meses depois.

    Mais:

    Temer 'lutou pelo impeachment de todas as maneiras', afirma Cunha em livro
    FHC: 'Não há razão para o impeachment de Bolsonaro'
    O 1º passo para o impeachment: oposição chilena quer denúncia constitucional contra Piñera
    Tags:
    Brasil, Wilson Witzel, Rio de Janeiro, impeachment, governador, governo, julgamento, afastamento
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar