19:32 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    150
    Nos siga no

    O juiz Marcelo Bretas se autoproclamou suspeito de julgar a ação da Operação Placebo, que foi para a 7ª Vara Federal da Justiça do Rio de Janeiro, que apura supostos desvios na gestão do governador afastado Wilson Witzel.

    O motivo alegado por Marcelo Bretas é de que ele teria "relação pessoal com uma das partes", mas não citou quem seria. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (24) pelo portal G1.

    "Todavia, por razões de foro íntimo, considerando minha relação pessoal com uma das partes até o ano de 2019, declaro-me suspeito para atuar neste feito e no correlato [...] Assim faço para que não pairem dúvidas acerca da isenção da jurisdição prestada por esta Justiça Federal", escreveu o magistrado.

    Parte do processo foi enviado na semana passada para a 7ª Vara Federal da Justiça Federal do Rio, onde Bretas é o juiz titular, após decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

    ​Com a saída de Bretas, o processo será julgado pela juíza Caroline Vieira. São réus na ação: Helena Witzel (em liberdade), Lucas Tristão, ex-secretário (preso); os empresários Mário Peixoto (prisão domiciliar), Alessandro de Araújo Duarte (preso); Cassiano Luiz da Silva (preso); Juan Elias Neves de Paula (preso); João Marcos Borges Mattos (solto); e Gothardo Lopes Netto (prisão domiciliar).

    Os investigados são acusados de cometerem os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O único acusado que teve a denúncia do Ministério Público já recebida pela Justiça é WIlson Witzel, que está respondendo em liberdade.

    Mais:

    Hospital confirma caso de hepatite causada por 'kit COVID' no interior de SP
    Exclusivo: Brasil perdeu 1,16 milhão de doses de vacina, acima dos 5% previstos pelo governo
    Sinal vermelho? Suspensão da produção de montadoras no Brasil liga alerta no mercado
    Brasil bate 300 mil mortes pela COVID-19
    COVID-19 no Brasil: 'Meta é vacinar 1 milhão de pessoas por dia', diz novo ministro da Saúde
    Tags:
    Wilson Witzel, imparcialidade, parcial, combate à corrupção, corrupção, juiz, Marcelo Bretas, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar