17:22 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    9110
    Nos siga no

    O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, mostrou insatisfação com os dados apresentados sobre o desmatamento na Amazônia por uma ONG.

    O vice-presidente do Brasil defendeu a transparência e confiabilidade nas estatísticas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), e disse que "há ONGs que utilizam dados sem a devida fundamentação para divulgar informações sobre a Amazônia".

    Por meio de uma série de publicações nas redes sociais, Mourão observou que "a especulação de temas ambientais, amplificado por parte de uma imprensa tendenciosa e de interesses escusos, apenas desconstrói um esforço e o compromisso da implantação de políticas públicas para a melhoria do meio ambiente, em particular com relação a Amazônia brasileira".

    Segundo ele, comparando o período entre 19 de agosto e 20 de março, "registra-se uma redução de 19% na área dos alertas de desmatamento".

    ​Em uma nota publicada no site do governo federal, "o CNAL [Conselho Nacional da Amazônia Lega] ratifica que o valor da área de alertas de desmatamento no mês de março de 2021 foi de 367,61km²", apresentando um aumento de 12%".

    "Entretanto, conforme as recomendações do INPE, deve-se realizar comparações entre períodos maiores para obtenção de melhor precisão. Dessa forma, comparando o período de agosto de 2019 a março de 2020 com agosto de 2020 a março de 2021, registra-se uma redução de 19% na área dos alertas de desmatamento", diz o comunicado.

    Os comentários em defesa do INPE por parte do vice-presidente do Brasil aconteceram após a repercussão de um levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). A entidade apontou ontem (19) que o desmatamento na floresta amazônica atingiu em março o pior índice para o mês nos últimos dez anos.

    O Imazon projeta que foram 810 km² desmatados da Amazônia Legal, área equivalente à cidade de Goiânia. O total da devastação é três vezes maior do que a área desmatada em março de 2020, quando 256 km² foram subtraídos da floresta.

    O vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, fala com a imprensa.
    © Foto / Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    O vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, fala com a imprensa.

    Mais:

    Ao chamar Argentina de 'eterno mendigo', Mourão mostra desconexão com novo chanceler, diz analista
    Macron: 'Depender da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia'
    EUA querem ações do Brasil contra desmatamento e sanções estão na mesa, diz pesquisadora
    Tags:
    Floresta Amazônica, Amazônia, Amazônia Legal, Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), Desmatamento Zero, desmatamento, ONGs, ONG, Antonio Hamilton Mourão, General Mourão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar