16:19 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)
    264
    Nos siga no

    O Brasil alcançou recorde de mortos pela COVID-19 pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira (3), com registro de 1.910 óbitos. 

    O número foi divulgado em boletim do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Com isso, total de óbitos no Brasil pelo coronavírus chegou a 259.271.

    De acordo com a entidade, foram confirmados 71.704 novos casos da COVID-19 no país. Ao todo, 10.718.630 pessoas já foram infectadas com o vírus. 

    Na terça-feira (2), pior dia da pandemia no Brasil até então, foram registradas 1.641 mortes pela COVID-19, segundo dados do Conass e do Ministério da Saúde.

    De acordo com especialista, o Brasil vive quadro mais grave desde início da pandemia, com alta de casos e mortos e hospitais lotados em diversas cidades. 

    Já segundo o consórcio de imprensa criado para apurar o número de casos e mortos pela COVID-19 no país, o Brasil registrou 1.840 óbitos nesta quarta-feira (3). 

    'Criaram pânico, né?'

    Nesta quarta-feira (3), antes da divulgação dos números diários da COVID-19, o presidente Jair Bolsonaro disse que estava sendo criado "pânico" em torno do coronavírus, argumentando que não era possível a população adotar medidas de isolamento. 

    "Criaram pânico, né? O problema está aí, lamentamos. Mas você não pode entrar em pânico. Que nem a política, de novo, do 'fique em casa'. O pessoal vai morrer de fome, de depressão?", disse o presidente, segundo o portal G1.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de março de 2021 (92)

    Mais:

    Após recorde de mortes, São Paulo fecha comércio, restaurantes e antecipa toque de recolher
    Rússia deve vacinar 30% da população até maio para evitar 3ª onda da COVID-19
    EUA: aumento de mortes por COVID-19 aponta avanço de variantes, dizem autoridades
    Tags:
    novo coronavírus, pandemia, COVID-19, Brasil, saúde, mortos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar