15:05 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    430
    Nos siga no

    Na noite desta terça-feira (2), quatro integrantes do Conselho de Administração da Petrobras informaram que não pretendem continuar em seus cargos após a mudança empreendida no comando da estatal pelo presidente Jair Bolsonaro.

    No último dia 19, Bolsonaro anunciou o general Joaquim Silva e Luna como o novo presidente da petrolífera brasileira em substituição a Roberto Castello Branco, motivado pelas críticas à política de preços da companhia.

    Silva e Luna era diretor-geral da parte brasileira da usina hidrelétrica Itaipu Binacional, cargo que ocupava há dois anos. A mudança, no entanto, precisa ser confirmada pelo Conselho de Administração da Petrobras, que é composto por até 11 membros, com sete deles indicados pela União, a principal acionista e controladora da empresa. 

    Hoje (2), segundo informações do portal G1, quatro desses conselheiros anunciaram que não aceitarão sua recondução ao cargo na próxima assembleia geral extraordinária: João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha.

    "Em continuidade aos comunicados de 19 e 23 de fevereiro, a Petrobras comunica que foi informada pelos Conselheiros de Administração João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho que não pretendem ser reconduzidos na próxima Assembleia Geral Extraordinária [AGE]", divulgou a estatal em nota.

    De acordo com o comunicado enviado ao mercado pela Petrobras, Cox Neto e Ziviani agradeceram o convite para a recondução, mas assinalaram que não vão aceitá-lo "por razões pessoais". Por sua vez, o conselheiro Omar Carneiro da Cunha Sobrinho assinalou em uma mensagem dirigida ao Presidente do Conselho, o almirante Eduardo Leal, que não se sente na posição de aceitar a recondução "em virtude dos recentes acontecimentos relacionados às alterações na alta administração da Petrobras".

    Mais:

    Estatais perdem R$ 113,2 bilhões em 2 dias com troca de comando na Petrobras
    Arthur Lira diz que reação do mercado à troca na Petrobras é 'bolha histérica'
    O que a crise na Petrobras diz sobre a formação dos preços de combustíveis no Brasil?
    Tags:
    Petrobras, Jair Bolsonaro, Brasil, economia, preço da gasolina, preço do diesel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar