00:09 19 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    999
    Nos siga no

    Advogados comparam declaração do humorista à invasão do Capitólio norte-americano, em janeiro. Depois de críticas, Gentili apagou a publicação e tentou se retratar.

    A Procuradoria Parlamentar da Câmara dos Deputados pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), a prisão do humorista Danilo Gentili por um tweet da semana passada sobre a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da imunidade parlamentar.

    Conforme publicado pela coluna de Fausto Macedo, do Estadão, os advogados alegam que Gentili violou a Lei de Segurança Nacional em sua declaração na rede social. Eles ainda compararam sua publicação à invasão de apoiadores do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump ao Capitólio norte-americano, em janeiro.

    Na ocasião, o humorista publicou - e depois apagou - o tweet durante a votação do projeto, que acabou sendo adiada. Uma comissão especial vai avaliar a medida.

    "Eu só acreditaria que esse país tem jeito se a população entrasse agora na Câmara e socasse todo deputado que está nesse momento discutindo PEC de imunidade parlamentar", dizia o tweet que foi apagado por Gentili.

    A PEC pode criar novas regras para proteger parlamentares de ações da Justiça, como, por exemplo, proibir o afastamento judicial cautelar de membro do Congresso. O projeto diz ainda que um deputado ou senador preso em flagrante será encaminhado à Câmara ou ao Senado, e não mais à Polícia Federal.

    De autoria do deputado Celso Sabino (PSDB-PA), a PEC foi encampada pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), que decidiu acelerar a tramitação do texto. O tema entrou em pauta após a prisão de Daniel Silveira (PSL-RJ).

    Para a Procuradoria da Câmara, o tweet do humorista representa um ataque ao Poder Legislativo e "grave ameaça à ordem pública".

    "A primeira das postagens do senhor Danilo Gentili Júnior possui indisfarçável vinculação com o referido episódio, representando nítida incitação da população à subversão da ordem político-institucional e gravíssimo atentado contra a manutenção do Estado Democrático de Direito. As redes sociais não podem servir de escudo para que os cidadãos possam cometer crimes e ficarem impunes", escreveram os advogados Patrícia Santiago, Thiago Lima Pessoa e Diana Segatto.

    Após receber críticas, Gentili voltou ao Twitter para se retratar:

    ​Além do pedido de prisão, a Procuradoria da Câmara pede a abertura de um inquérito para apurar o caso e o bloqueio de suas publicações pelo Twitter.

    Mais:

    'Não é a PEC da impunidade', diz presidente da Câmara dos deputados do Brasil após críticas do STF
    Câmara dos Representantes aprova pacote de US$ 1,9 tri para combate à COVID-19 nos EUA
    Calendário de Rodrigo Maia: qual o futuro político do ex-presidente da Câmara?
    Tags:
    prisão, justiça, PEC, Senado Federal, Câmara dos Deputados, Twitter, humorista
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar