12:43 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    382
    Nos siga no

    O presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, Arthur Lira (PP-AL), desistiu de colocar em votação a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria novas regras para a imunidade parlamentar no país.

    De acordo com o perfil da Câmara dos Deputados no Twitter, Lira não conseguiu chegar a um consenso com os líderes dos partidos na Câmara nesta sexta-feira (26) e decidiu enviar a proposta para ser avaliada em uma comissão especial, que ainda precisa ser criada, evitando assim uma derrota no plenário.

    O projeto cria novas regras para a imunidade parlamentar e foi apresentado logo depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Contudo, a proposta gerou repercussões negativas na opinião pública e também desagradou ministros do STF, que classificaram o texto como uma espécie de "retaliação" e "afronta" à Suprema Corte, conforme noticiou a repórter Andréia Sadi em seu blog no site G1.

    Deputado federal Daniel Silveira (PSL) chega ao IML do Rio de Janeiro (RJ) nesta quarta-feira (17) para fazer exame de corpo de delito
    © Folhapress / Betinho Casas Novas/Futura Press
    Deputado federal Daniel Silveira (PSL) chega ao IML do Rio de Janeiro (RJ) nesta quarta-feira (17) para fazer exame de corpo de delito

    Além disso, Lira pretendia levar o projeto direto para o plenário, sem passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e por uma comissão especial, como determina o regimento da casa. O presidente da Câmara tentou se aproveitar do fato de que a CCJ ainda não está instalada para acelerar a tramitação do projeto, o que gerou críticas entre seus pares no Legislativo.

    "Coletivamente, nós não conseguimos nos entender hoje [26]. E não será atropelando o regimento que o faremos. Determino a criação de uma comissão especial. Que os líderes façam a indicação dos seus membros até segunda-feira [1º], e essa comissão será instalada com o mesmo rigor da discussão de que temas importantes nesta casa mereçam ser tratados", afirmou Lira, citado pelo portal de notícias G1. 

    Entre as medidas do projeto, o texto da PEC estabelece que os parlamentares não poderão mais ser afastados de seus mandatos por decisão judicial e que a prisão em flagrante por crime inafiançável seguirá vigente, mas que o parlamentar terá que ficar sob custódia da Câmara ou do Senado, dependendo de seu cargo, até que o plenário decida se mantém ou não sua prisão.

    Além disso, os deputados e senadores responderão por suas declarações exclusivamente no Conselho de Ética de suas respectivas casas e não poderão mais ser responsabilizados civil nem criminalmente por elas. O texto também impede as decisões monocráticas dos ministros do STF relativas a medidas cautelares que afetem o mandato parlamentar, pois estas só terão efeito após a confirmação no plenário da Suprema Corte.

    Mais:

    Calendário de Rodrigo Maia: qual o futuro político do ex-presidente da Câmara?
    Arthur Lira pressiona Guedes por auxílio: ministro precisa encontrar 'alternativa imediata'
    Arthur Lira diz que reação do mercado à troca na Petrobras é 'bolha histérica'
    Tags:
    Proposta de Emenda Constitucional, PEC, votação, Câmara dos Deputados, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar