15:06 15 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    190
    Nos siga no

    Ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia determinou nesta segunda-feira (14) que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) prestem informações, em 24 horas, sobre supostos relatórios produzidos para orientar a defesa do senador Flávio Bolsonaro.

    De acordo com informações do jornal O Globo, Cármen Lúcia avaliou que a suposta produção dos documentos é "grave", e o tribunal tem entendimentos consolidados que proíbem o uso de órgãos públicos para fins pessoais.

    O pedido de informações é endereçado ao ministro do GSI, Augusto Heleno, e ao diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem. Em nota conjunta, os órgãos disseram que vão "aguardar a notificação e responder dentro do prazo estipulado pela ministra Carmem Lúcia".

    Na sexta-feira (11), o GSI afirmou que a informação de que a Abin teria produzido pelo menos dois relatórios para orientar o senador Flávio Bolsonaro se vale de "falsas narrativas".

    Relembre o caso

    Na última sexta-feira (11), uma reportagem publicada revista Época revelou que a Abin teria auxiliado a defesa de Flávio Bolsonaro a produzir dois relatórios que detalham o funcionamento de uma suposta organização criminosa em atuação na Receita Federal. Os funcionários teriam supostamente acessado de forma ilegal os dados fiscais do senador que geraram o inquérito das rachadinhas.

    ​O Sindifisco Nacional (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) disse que a possível ajuda da Abin ao senador, caso seja confirmada, "é inaceitável em todos os sentidos".

    O procurador-geral da República, Augusto Aras, autorizou no mesmo dia uma investigação preliminar sobre uso da Abin para ajudar defesa de Flávio Bolsonaro.

    Flávio Bolsonaro é acusado de participar de um esquema de corrupção quando era deputado estadual no Rio de Janeiro, que seria comandado por um de seus assessores, Fabrício Queiroz.

    Ex-PM Fabrício Queiroz (primeiro à dir.) ao lado de policiais militares e do seu ex-patrão, Flávio Bolsonaro (primeiro à esq.)
    © Foto / Reprodução / Twitter
    Ex-PM Fabrício Queiroz (primeiro à dir.) ao lado de policiais militares e do seu ex-patrão, Flávio Bolsonaro (primeiro à esq.)

    Mais:

    MP diz ter nova prova de que Flávio Bolsonaro usou dinheiro de 'rachadinha' para compra de imóvel
    Compra de 12 salas por Flávio Bolsonaro não passou por conta bancária, diz site
    Corregedor do tribunal que vai julgar Flávio Bolsonaro se encontra com presidente e ignora imprensa
    Tags:
    Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Abin, Rachadinha, STF, Flávio Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar