12:30 21 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Agentes da Polícia Federal iniciaram na manhã desta quarta-feira (9), em parceria com o Ministério Público Federal, a Operação Talha, que apura desvios no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into).

    Cerca de 30 policiais federais estão nas ruas para cumprir oito mandados de busca e apreensão em residências e escritórios nas cidades do Rio de Janeiro e Brasília. Segundo o portal G1, o principal alvo da operação é o ex-deputado federal Francisco Floriano, do DEM-RJ.

    As investigações apontam que o ex-deputado teria participado na indicação de diretores do Into, e que o político também teria influência direta em questões administrativas do hospital, inclusive na hora de marcar exames e cirurgias para pessoas de seu interesse.

    Floriano foi eleito deputado em 2014 pelo Partido da República (PR), mas mudou para o DEM em 2016, onde não conseguiu se reeleger em 2018. O ex-deputado é suspeito de exigir vantagens ilícitas para obter a liberação de recursos de emendas parlamentares para o Into. Esses recursos, de acordo com a Polícia Federal, eram desviados pela organização criminosa que foi desarticulada nas operações Fatura Exposta e Ressonância.

    A ação de hoje (9) é um desdobramento das investigações da operação Fatura Exposta, realizada em 2017, que também apurava desvios de recursos públicos na Saúde no estado do Rio. Os mandados foram expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio e os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

    Mais:

    TRE-RJ aciona PF contra greve de motoristas de ônibus em dia de eleição
    Bolsonaro tem o direito de não depor sobre suposta interferência na PF, diz procurador-geral
    Atos antidemocráticos: Carlos Bolsonaro é citado 43 vezes em inquérito da PF, diz jornal
    Tags:
    saúde, Rio de Janeiro, corrupção, Polícia Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar