06:26 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3110
    Nos siga no

    O governo federal teria contratado uma empresa de comunicação para elaborar um relatório que classifica 81 jornalistas e influenciadores em redes sociais como "detratores" ou "favoráveis" ao governo.

    De acordo com informações reveladas pela reportagem de Rubens Valente, do UOL, o documento intitulado "Mapa de influenciadores" foi elaborado pela empresa BR+ Comunicação, que analisou postagens sobre o Ministério da Economia e o ministro Paulo Guedes durante o mês de maio de 2020. Foi apurado que a empresa tem um contrato com o Ministério da Ciência e Tecnologia no valor R$ 2,7 milhões.

    O relatório da empresa de comunicação teria levado ao governo classificações sobre os profissionais em três grupos: "detratores" do governo, "neutros informativos" e "favoráveis". O primeiro grupo forma a maioria da lista, com 51 nomes. Os "favoráveis" são 23, e outros oito "neutros informativos" completam a relação, sendo que um nome se repete em dois grupos. 

    Fazem parte da lista de "detratores" nomes de jornalistas como Xico Sá, Guga Chacra, Vera Magalhães, Cynara Menezes, e professores universitários como Silvio Almeida, Laura Carvalho, Jessé Souza, entre outros. 

    Muitos dos citados se manifestaram nas redes sociais, criticando a produção do documento.

    ​Entre os "favoráveis", constam nomes como Milton Neves, Rodrigo Constantino, Guilherme Fiuza, Tomé Abduch, entre outros.

    De acordo com a publicação, a partir do documento podem ser tomadas medidas como o "monitoramento preventivo das publicações da influenciadora", "envio de esclarecimentos para eventuais equívocos que ele publicar" ou "propor parceria para divulgar ações da Pasta".

    Resposta do Ministério da Economia

    O Ministério da Economia, em resposta à reportagem, afirmou que os "produtos de comunicação" são definidos no contrato pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), "assim como é definido para todos os órgãos da administração direta".

    "Esclarecemos, portanto, que os órgãos não têm coordenação sobre essa entrega [Mapa de Influenciadores], mas, assim como monitoramentos de redes sociais e clipping de imprensa, ela é importante para o envio de releases, convocações para coletivas de imprensa, participações em eventos, fotos e vídeos", diz a nota da pasta.

    Ainda de acordo com o Ministério da Economia, "não se faz uso de informações pessoais". "O produto também não traz informações de profissionais de governos, apenas jornalistas e influenciadores de redes sociais e/ou formadores de opinião - definidos com base no número de seguidores", completa a nota.

    Mais:

    Flávio Bolsonaro entra com notícia-crime contra apresentadores do Jornal Nacional
    Dez anos após maior vazamento do WikiLeaks, grupo afirma que publicação 'transformou o jornalismo'
    Nós vamos dançar com todo mundo, diz Guedes sobre possível vitória de Biden nos EUA
    Crise? 'Brasil está oficialmente saindo da recessão', diz Paulo Guedes
    Tags:
    Ministério da Economia do Brasil, dossiê, redes sociais, jornalistas, jornalismo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar