08:50 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    649
    Nos siga no

    Com base na lei de segurança nacional, deputado federal José Medeiros (Podemos-MT) pediu à PGR uma investigação contra o youtuber e empresário Felipe Neto por apoio a ato antifascista. 

    Além do influenciador, o parlamentar pediu a abertura de inquérito para investigar a conduta de dois de seus colegas na Câmara dos Deputados, Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Glauber Braga (PSOL-RJ), assim como do candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL). 

    A manifestação do movimento "Antifa" ocorreu no dia 31 de maio na Avenida Paulista, em São Paulo. O pedido, encaminhado ao procurador-geral da República, Augusto Aras, foi protocolado no dia 1º de junho, mas só foi revelado agora, segundo o portal Congresso em Foco. 

    Segundo Medeiros, os presentes no ato "iniciaram confrontos com os manifestantes pró-governo, agrediram cidadãos, depredaram patrimônio público, entraram em confronto com policiais e os agrediram, protagonizando cenas de barbárie na capital paulista". 

    'Alteração da ordem política e social'

    O deputado diz ainda que as "cenas foram aterrorizantes e demonstram a vontade desse grupo em promover processos violentos para alteração da ordem política social, bem como a incitação à luta com violência entre as classes sociais, o que fere claramente a lei de segurança nacional em seu art. 23". 

    Em seu pedido, o parlamentar afirma que o "movimento teve a participação" de Glauber Braga e Sâmia Bonfim, "que se juntaram aos manifestantes e incentivaram os atos violentos por eles praticados".

    Em relação a Boulos e Neto, Medeiros argumenta que o "movimento foi comemorado e exaltado nas redes sociais" por eles, que teriam dessa maneira promovido a violência e cometido crime. O deputado acredita que as manifestações só pretendem instaurar o "caos social" e "tomar" o poder do presidente Jair Bolsonaro. 

    Por meio do Twitter, a deputada Sâmia Bomfim reagiu à notícia, lembrando que José Medeiros teve o mandato de senador cassado em 2018 por fraude eleitoral pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso.

    ​Em abril, o político do Podemos pediu investigação parecida, com base na lei de segurança nacional, contra o próprio Boulos, o jornalista Ricardo Noblat e o deputado Túlio Gadelha (PDT-PE).

    Mais:

    Bolsonaro chama manifestantes antifascistas no Brasil de 'terroristas'
    'Dossiê antifascista' pode gerar sanções penais contra ministro da Justiça, diz advogado
    Maioria do STF proíbe Ministério da Justiça de produzir 'dossiê contra servidores antifascistas'
    Tags:
    Podemos, PSOL, Sâmia Bonfim, Jair Bolsonaro, Augusto Aras, PGR, antifascismo, São Paulo, Tribunal Regional Eleitoral, Guilherme Boulos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar