00:57 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil na luta contra COVID-19 no início de novembro (27)
    581
    Nos siga no

    O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, reafirmou hoje (10) que o "evento adverso" relatado com um voluntário que participava dos estudos clínicos da CoronaVac não teve relação com a vacina.

    Em coletiva de imprensa realizada no instituto com autoridades sanitárias de São Paulo, Covas explicou que, no último dia 6, o Butantan informou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre um evento adverso grave não relacionado à CoronaVac, e que os testes em estágio avançado com a vacina desenvolvida pela empresa Sinovac, da China, não apresentaram efeitos adversos graves no Brasil. 

    ​Segundo o presidente do Butantan, a suspensão dos estudos com a vacina provocou indignação entre os responsáveis pelos testes e a expectativa é a de que os mesmos sejam retomados ainda nesta terça-feira (10) ou amanhã. Ele garantiu que "é impossível" que o evento relatado — não detalhado publicamente por questões de sigilo — tenha tido alguma relação com a vacina.

    "Esse efeito adverso grave foi relatado 25 dias após o candidato ter recebido a vacinação, que nós não sabemos se foi placebo ou se foi a vacina propriamente dita", explicou Covas. "E, além disso, é uma causa não relacionada com a vacina."

    Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo, afirmou que a Anvisa não conversou com o governo estadual para propor uma análise conjunta do problema relatado e que a decisão de interromper os testes foi conhecida apenas após a divulgação feita na imprensa.

    "Esta vacina é segura. Estamos a favor da vida, da verdade e da transparência", disse o secretário, recusando o clima de politização por trás do desenvolvimento das vacinas.

    João Gabbardo dos Reis, coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, lamentou que todo o processo de desenvolvimento da vacina deve atrasar em razão desses dias perdidos com a suspensão dos testes.

    "As pessoas estão aguardando na fila para serem voluntárias", afirmou, também expressando o desejo de que a Anvisa não demore a liberar a retomada dos estudos.

    Tema:
    Brasil na luta contra COVID-19 no início de novembro (27)

    Mais:

    Aceitação da vacina russa varia entre 52% e 60% nas capitais do Brasil, diz Datafolha
    #SputnikV: campanha global da vacina russa contra COVID-19 entra em ação nas redes sociais
    Pfizer e BioNTech asseguram que sua vacina é mais de 90% eficaz contra COVID-19
    MRE chinês: 'Evento adverso grave' com voluntário brasileiro não está ligado à vacina CoronaVac
    Tags:
    imunização, vacina, estudos, testes, China, Vacina CoronaVac, novo coronavírus, COVID-19, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar