08:42 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    Auxílio emergencial e diminuição da renda da parcela mais rica da população fez 21,4 milhões de brasileiros entrarem na classe C até agosto de 2019, segundo estudo da FGV divulgado nesta quinta-feira (8).

    A Classe C é considerada o meio da pirâmide de renda. A pesquisa foi conduzida pelo economista Marcelo Neri, diretor da Fundação Getúlio Vargas Social. 

    De acordo com o estudo, atualmente 133,5 milhões estão nessa faixa, ou 63% da população brasileira. O recorde anterior era de 2014, quando 55,10% dos brasileiros eram da Classe C. 

    De acordo com economista, o auxílio emergencial fez 15 milhões de pessoas saírem da pobreza em apenas nove meses. A pesquisa ressaltou que se o benefício acabar totalmente, esse contingente seria jogado de volta para essa condição. 

    "Uma dose cavalar de transferência", disse ele em entrevista ao jornal O Globo. 

    4,8 milhões desceram para a Classe C

    Além disso, o aumento dessa faixa foi causado pelo fato de 4,8 milhões de pessoas da classe média alta (que tem rendimento per capita a partir de dois salários mínimos) terem perdido renda e descido para a Classe C.  

    "Essa classe média baixa, identificada com Classe C, foi alimentada por boas notícias dos pobres e más notícias de quem estava acima", disse o economista. 

    O estudo mostrou ainda que o número de brasileiros que ganham menos de meio salário mínimo (ou R$ 515 reais por mês) recuou 23,7%, atingindo nova mínima histórica de 50 milhões de pessoas, graças ao auxílio mensal. 

    O benefício para ajudar a população atingida pela crise do coronavírus começou com R$ 600. Depois, passou para R$ 300 até dezembro. Agora, o governo discute hoje como continuar ajudando a parcela mais pobre da população, o que poderia ser feito pelo programa Renda Cidadã, que substituiria o Bolsa Família. 

    Mais:

    IBGE: quase metade da população recebeu auxílio emergencial do governo
    Bolsonaro promete auxílio emergencial até final do ano entre R$ 200 e R$ 600
    Após queda recorde do PIB, Bolsonaro anuncia auxílio emergencial de R$ 300 até o fim do ano
    Entre brasileiros mais pobres, auxílio emergencial fez renda subir 132%
    Tags:
    pobreza, economia, Marcelo Neri, FGV, governo, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar