15:39 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil em meados de setembro (42)
    190
    Nos siga no

    O laboratório do Exército Brasileiro comprou ao menos dois lotes de insumos para fabricar a cloroquina no Brasil, gastando quase o triplo do valor que foi cobrado dois meses antes pela mesma empresa fornecedora.

    De acordo com dados revelados pela CNN Brasil, o laboratório do Exército Brasileiro, responsável pela produção de cloroquina no país, não havia contestado o valor 167% mais caro pelos lotes de insumo da cloroquina, que representou um total de R$ 782,4 mil aos cofres públicos.

    O laboratório só se manifestou pedindo explicações à empresa após o Tribunal de Contas da União (TCU) ter aberto uma investigação sobre possível superfaturamento nos contratos de compra dos insumos. A compra já havia sido efetuada.

    De acordo com a publicação, o grupo Sul Minas, responsável pelo fornecimento dos insumos, teria alegado que o laboratório fabricante do produto (IPCA) aumentou seu preço em 300% em março de 2020 e em 600% em abril.

    Comprimidos de hidroxicloroquina, medicamento usado contra malária e que está sendo testado contra a COVID-19
    © AP Photo / John Locher
    Comprimidos de hidroxicloroquina, medicamento usado contra malária e que está sendo testado contra a COVID-19

    Em agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, apresentou uma denúncia à Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo a responsabilização dos ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e da Defesa, Fernando Azevedo, pela compra dos insumos e fabricação da coloroquina.

    De acordo com a denúncia, "o governo federal está em verdadeira campanha para a utilização de um medicamento ineficiente, o que torna a conduta dos representados ainda mais reprovável".

    Já a investigação do Tribunal de Contas da União (TCU), encaminhada pelo subprocurador-geral do Ministério Público de Contas da União (MPU), Lucas Rocha Furtado, apura a "ocorrência de possível superfaturamento na compra de insumo pelo Comando do Exército para a fabricação do medicamento cloroquina sem que haja comprovação médica ou científica de que o medicamento seja útil para o tratamento da COVID-19".

    De acordo com o subprocurador, o TCU também averígua a "responsabilidade direta do Presidente da República na orientação e determinação para o incremento dessa produção".

    Tema:
    Coronavírus no Brasil em meados de setembro (42)

    Mais:

    Teste positivo de Bolsonaro para COVID-19 faz web 'chover' memes sobre cloroquina
    Sociedade Brasileira de Pediatria diz que cloroquina não é recomendada para crianças
    Estudo explica por que pacientes não podem usar hidroxicloroquina e cloroquina para tratar COVID-19
    Bolsonaro defende a cloroquina e diz 'vamos tocar a vida' sobre 100 mil mortes por COVID-19
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Exército, Hidroxicloroquina, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar