10:33 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 15
    Nos siga no

    O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta terça-feira (11) que o setor privado, e não o Estado, será o protagonista no desenvolvimento sustentável da Amazônia. 

    O chefe do Conselho Nacional da Amazônia Legal participou de painel, por videoconferência, com representantes de países que abrigam a floresta amazônica dentro de seus territórios. O vice também conversará ao longo do dia com os presidentes destas nações. 

    Em seu discurso, lido em espanhol, Mourão falou sobre a importância do desenvolvimento sustentável para preservar a região e citou, por exemplo, a bioeconomia. O vice disse que o setor privado deverá guiar esse processo, que, segundo ele, exige criatividade e inovação, características "próprias do espírito empreendedor do setor privado".

    "O protagonista do desenvolvimento sustentável na Amazônia será o setor privado, não o Estado", afirmou, segundo publicado pelo portal G1. 

    Participação de bancos privados

    Mourão disse ainda que para desenvolver a Amazônia será preciso dinheiro, por isso é importante a participação de bancos privados e de desenvolvimento. 

    "Para que tudo isso funcione, é necessário que se coloque dinheiro. Então, o financiamento por parte de bancos privados e bancos de desenvolvimento é fundamental", argumentou, citando projetos como a utilização de pequenos portos ao longo dos rios da região para escoar produtos. 

    O vice afirmou ainda que o governo trabalhará ao lado de empresas e da sociedade civil para que a bioeconomia seja a "nova fronteira da expansão da atividade humana na selva amazônica".

    Vice admite alta no desmatamento

    Mourão também falou sobre os índices de desmatamento na Amazônia, que vêm registrando recordes e se tornaram motivo de crise internacional para o atual governo. 

    O vice-presidente admitiu que os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) indicam alta no desmatamento. Além disso, reconheceu que o Brasil é cobrado pela preservação da floresta. 

    Por outro lado, disse que há "desinformação" sobre a realidade da Amazônia e criticou a postura "de alguns que se aproveitaram da crise para avançar em interesses protecionistas e renovar atitudes colonialistas".

    Mais:

    Governo Bolsonaro exonera responsável pelo monitoramento da Amazônia ante desmatamentos recordes
    Moratória do fogo na Amazônia não resolve maiores problemas da região, diz geógrafo
    Mourão defende avanços no monitoramento da Amazônia
    Tags:
    INPE, governo, Estado, setor privado, sustentabilidade, desenvolvimento, floresta, Amazônia, Antonio Hamilton Mourão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar