09:22 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Pandemia do coronavírus no Brasil no início de julho (50)
    230
    Nos siga no

    O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), cobrou responsabilidade na reabertura da economia e de bares da cidade, lembrando que regras devem ser respeitadas e é preciso evitar aglomerações. 

    "Ainda não é o momento de todo mundo ir para um bar para comemorar o fim da pandemia", disse Covas em entrevista para a rádio Energia 97 FM, segundo publicado pelo portal UOL. 

    O prefeito fez uma comparação com as cenas de bares lotados no bairro no Leblon, no Rio de Janeiro, logo após flexibilização da quarentena imposta no município para conter a disseminação do coronavírus. Covas ressaltou ainda que a "pandemia não acabou". 

    "Embora seja um momento de flexibilização, a pandemia não acabou. Basta um dia de descontrole e os números voltam a crescer. O que não queríamos ver era a cena dos bares do Leblon", disse o prefeito ao responder se bares e restaurantes voltariam a funcionar no mesmo horário de antes da epidemia. 

    'Pior é reabrir e fechar mais uma vez'

    O município está na fase três (amarela) do plano de reabertura estabelecido pelo governo estadual. Nessa etapa, bares e restaurantes podem funcionar, mas apenas por seis horas diárias e somente durante o dia, até às 17h. 

    "O pior é reabrir e, daqui a uns dias, fechar mais uma vez. Vamos observando o comportamento desses números para poder, daqui a duas ou três semanas, sentar e ver se pode flexibilizar ainda mais", afirmou. 

    Covas explicou que a decisão depende de análises de indicadores da prefeitura de São Paulo, como quantidade de leitos e número de novas internações. O prefeito disse que 9,5% da população da cidade está imunizada, segundo um inquérito sorológico feito pelo governo municipal. 

    "Estamos há três semanas na fase três e estamos trabalhando para ir para a fase quatro. Não é só fruto da prefeitura, mas da consciência da população. As pessoas estão colaborando", disse. 

    Tema:
    Pandemia do coronavírus no Brasil no início de julho (50)

    Mais:

    Doria anuncia abertura gradual da economia em SP a partir de 11 de maio
    Barroso determina que governo crie plano para evitar morte de indígenas por coronavírus
    'Extremos a serem evitados': Moro critica Bolsonaro e Lula e despista sobre 2022
    Tags:
    quarentena, Leblon, Rio de Janeiro, São Paulo, prefeitura, Bruno Covas, epidemia, pandemia, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar