05:08 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    165
    Nos siga no

    O procurador-geral da República, Augusto Aras, manifestou-se nesta quinta-feira (28) contra apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro no inquérito sobre sua suposta interferência na Polícia Federal.

    O pedido havia sido feito por três partidos, PDT, PSB e PV, e encaminhado à Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, relator do caso. 

    Além do celular do presidente, foi pedida a apreensão dos aparelhos de seu filho, vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, do ex-diretor da Polícia Federal (PF) Maurício Valeixo e da deputada Carla Zambelli (PSL-SP).

    Segundo a decisão de Aras, as "diligências necessárias" em relação ao caso devem ser "avaliadas" pela PGR "na apuração em curso", não competindo aos partidos pedir "medidas apuratórias". 

    Decisão cabe a Celso de Mello

    "Tratando-se de investigação em face de autoridades titulares de foro por prerrogativa de função perante o Supremo Tribunal Federal, como corolário da titularidade da ação penal pública, cabe ao Procurador-Geral da República o pedido de abertura de inquérito, bem como a indicação das diligências investigativas, sem prejuízo do acompanhamento de todo o seu trâmite por todos os cidadãos", escreveu Aras em sua decisão, segundo o portal G1.

    Antes de tomar uma decisão, Celso de Mello solicitou a opinião da PGR, como é de praxe em situações como essa. Agora, caberá ao decano do STF decidir se aprova o pedido das três legendas. 

    Além do inquérito sobre a interferência aberto no STF, os partidos pediam uma nova investigação para apurar crime de corrupção ativa em troca de mensagens entre Carla Zambelli e Sergio Moro.

    'Consequências imprevisíveis'

    A deputada pediu que ele substituísse o então diretor da PF Maurício Valeixo, conforme queria Bolsonaro, e, em troca, ajudaria a convencer o presidente a indicar Moro para a próxima vaga no STF. Aras também foi contra esse pedido. 

    Logo após Celso de Mello encaminhar a solicitação para a PGR, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, disse que a apreensão do celular do presidente traria "consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional". 

    Mais:

    Augusto Aras pede para STF suspender inquérito sobre fake news
    Moro diz que vídeo 'fala por si', critica alianças do governo e lamenta omissão contra corrupção
    'As coisas têm um limite, ontem foi o último dia', diz Bolsonaro sobre inquérito das fake news
    Tags:
    Celso de Mello, celular, Carlos Bolsonaro, PGR, Augusto Aras, Ministério da Justiça, Jair Bolsonaro, STF, Sergio Moro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar