03:26 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    3196
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (22), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, enviou três notícias-crime à Procuradoria Geral da República (PGR), incluindo pedidos de busca e apreensão do celular do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e também de seu filho, Carlos Bolsonaro.

    Segundo publicou o portal G1, os pedidos são desdobramentos do inquérito que investiga uma possível interferência do presidente Bolsonaro na Polícia Federal. Além da apreensão do celular, o depoimento de Bolsonaro também foi solicitado.

    Os requerimentos apresentados por deputados federais estavam no STF desde que o ex-ministro Sergio Moro deixou o cargo e acusou o presidente brasileiro de interferência na Polícia Federal, cujo inquérito solicitado pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, tem Celso de Mello como relator no Supremo. O pedido precisa ser analisado pela PGR, a quem cabe solicitar ao STF investigações sobre a Presidência.

    Vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro
    © Folhapress / Magalhães Jr / Photo Press
    Vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro

    Ainda segundo as informações do portal G1, Celso de Mello disse no pedido que é dever do Estado apurar crimes de "qualquer pessoa do povo". Aras já se posicionou em outras situações semelhantes no mesmo inquérito apontado que esse tipo de pedido deve ser atendido pelo Ministério Público Federal (MPF). Não há prazo para manifestação da PGR sobre as notícias-crime.

    O presidente Jair Bolsonaro é investigado por suposta interferência da Polícia Federal durante a gestão de Sergio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública. Moro deixou o cargo afirmando que tal interferência o impedia de se manter no governo. Após a saída do ex-juiz da equipe de governo, a PGR solicitou uma investigação ao STF sobre o tema.

     O presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia em Brasília

    A investigação já ouviu, além de Moro, ministros e pessoas próximas da campanha de Bolsonaro, em 2018, como o empresário Paulo Marinho, que afirma que investigações da Polícia Federal foram vazadas para a família do presidente.

    Mais:

    PSL quer que Flávio Bolsonaro devolva R$ 500 mil e acusa senador de 'desvio de finalidade'
    PGR pede que PF ouça Paulo Marinho em investigação sobre Bolsonaro
    STF autoriza depoimentos de ministros sobre suposta interferência de Bolsonaro na PF
    Embaixada do Brasil em Paris é alvo de protesto contra Bolsonaro (VÍDEOS, FOTOS)
    Troca de ministros é exemplo de 'simplificação da política' de Bolsonaro, diz sociólogo
    Tags:
    Carlos Bolsonaro, Procuradoria Geral da República (PGR), Celso de Mello, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar