06:21 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (63)
    3411
    Nos siga no

    O governo do Brasil planeja pegar emprestado US$ 4 bilhões de organizações multilaterais de crédito para financiar despesas relacionadas à crise do novo coronavírus, incluindo pagamentos suplementares de emergência e outros programas de apoio social.

    De acordo com a agência Reuters nesta segunda-feira (25), um documento do Ministério da Economia prevê que os fundos seriam usados ​​em parte para a expansão do programa Bolsa Família para famílias de baixa renda, e para cobrir os subsídios de desemprego de trabalhadores que tiveram seus contratos suspensos ou horas de trabalho reduzidas.

    À taxa de câmbio desta segunda-feira (25), os empréstimos corresponderiam a aproximadamente R$ 21,9 bilhões.

    O Brasil buscará US$ 1 bilhão cada um no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no Banco Mundial (BM) e no Novo Banco de Desenvolvimento do grupo BRICS dos principais países de economia emergente.

    Vista do Cartão Bolsa Família, da Caixa Econômica Federal, que serve para o beneficiário do programa realize o saque mensal do valor do programa
    © Folhapress / Everton Silveira/Agência Freelancer
    Vista do Cartão Bolsa Família, da Caixa Econômica Federal, que serve para o beneficiário do programa realize o saque mensal do valor do programa

    Outros US$ 420 milhões (R$ 2,3 bilhões) seriam solicitados ao Banco de Desenvolvimento alemão KfW, US$ 350 milhões (R$ 1,9 bilhão) do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) e US$ 240 milhões (R$ 1,3 bilhão) da Agência Francesa de Desenvolvimento.

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe optaram por emprestar em vez de emitir títulos nos mercados internacionais porque a percepção de risco nos mercados aumentou e o custo aumentou.

    O Ministério da Economia não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

    Na semana passada, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, declarou que o Brasil não teve problemas em se financiar no mercado interno com dívida de curto prazo, mas o prêmio por títulos com vencimento em três anos ou mais foi muito alto.

    Tema:
    Brasil combatendo pandemia da COVID-19 no fim de maio (63)

    Mais:

    'Populismo de Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre', diz Financial Times
    Fiocruz compra respiradores em Portugal para novo hospital COVID-19; Minas Gerais também negocia
    Brasil registra 807 novas mortes e passa de 23 mil óbitos por COVID-19
    Tags:
    Bolsa Família, Ministério da Economia do Brasil, economia, Paulo Guedes, empréstimos, crédito, novo coronavírus, COVID-19, França, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar