20:18 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2170
    Nos siga no

    A Embraer informou neste domingo (26) que, após o fim do acordo de US$ 4,2 bilhões com a Boeing, trabalha para ajustar os seus níveis de produção e as despesas de capital para economizar recursos.

    A fabricante acrescentou em seu comunicado ter terminado o ano de 2019 com uma "sólida posição de caixa" e sem "dívida significativa para os próximos dois anos".

    "Estamos tomando medidas adicionais para preservar nossa liquidez e manter nossas finanças sólidas durante esses tempos turbulentos", acrescentou a empresa, citada pela Agência Brasil.

    Essas medidas incluem ajustes no estoque, extensão dos ciclos de pagamento, redução de despesas e busca de financiamento.

    O acordo entre a Embraer e a Boeing foi anunciado em 2018. A Boeing passaria a controlar 80% da divisão de aviação comercial da Embraer, que fabrica aviões de até 150 assentos.

    O acordo já tinha recebido a aprovação dos organismos antitruste de todos os governos necessários, exceto da União Europeia, e a Embraer gastou milhões criando o segmento de negócios que a Boeing assumiria.

    Em uma nota divulgada no sábado (25), a Embraer afirmou que a Boeing rescindiu "indevidamente o Acordo Global da Operação e fabricou falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões".

    A Embraer acrescentou que pretende adotar "medidas cabíveis" para reparar os eventuais danos à empresa.

    Mais:

    Apesar de 'protecionismo' europeu, fusão Boeing-Embraer não está ameaçada, diz analista
    Coronavírus: Embraer ajuda com peças para respiradores no combate à COVID-19
    Analista: mesmo com dificuldades financeiras, Boeing deve fechar acordo com a Embraer
    Tags:
    Brasil, Boeing, Embraer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar