12:58 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    17110
    Nos siga no

    Segundo a Embraer, a Boeing rescindiu o contrato de parceria, anunciado em 2018, de modo indevido.

    A Embraer divulgou uma nota neste sábado (25), após a empresa norte-americana anunciar a rescisão do contrato que previa a formação de uma joint venture com 80% de participação da Boeing e 20% da Embraer.

    Segundo a empresa brasileira, Boeing fabricou falsas alegações para evitar cumprir a transação.

    "A Embraer acredita firmemente que a Boeing rescindiu indevidamente o Acordo Global da Operação (MTA) e fabricou falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões [R$ 23,5  bilhões]. A empresa acredita que a Boeing adotou um padrão sistemático de atraso e violações repetidas ao MTA, devido à falta de vontade em concluir a transação, sua condição financeira, ao 737 MAX e outros problemas comerciais e de reputação", informou a empresa por nota.

    ​A Embraer alega não ter descumprido nenhuma de suas obrigações contratuais, motivo apresentado pela Boeing para rescindir o contrato, e promete adotar medidas contra a empresa dos EUA.

    "A empresa buscará todas as medidas cabíveis contra a Boeing pelos danos sofridos como resultado do cancelamento indevido e da violação do MTA", acrescenta o documento.

    Na manhã deste sábado (25), a Boeing confirmou a rescisão do contrato da compra de parte da Embraer. Em comunicado oficial, Boeing afirmou ter exercido "seu direito de rescindir" o contrato devido em função da Embraer "não ter atendido as condições necessárias". O acordo entre as empresas previa que a data limite para a rescisão do contrato terminaria justamente no dia 24 de abril.

    Mais:

    Coronavírus: Embraer ajuda com peças para respiradores no combate à COVID-19
    Cade aprova aquisição da Embraer pela Boeing
    Apesar de 'protecionismo' europeu, fusão Boeing-Embraer não está ameaçada, diz analista
    Tags:
    contrato, Embraer, Boeing, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar