12:24 06 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (234)
    991
    Nos siga no

    O prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, anunciou na tarde desta quarta-feira que pretende autorizar a reabertura de parte do comércio, medida que se aproxima do que prega o presidente Jair Bolsonaro, mas o plano pode não sair do papel.

    Em uma postagem em sua página no Twitter, Crivella defendeu a abertura de "alguns comércios", conscientizando a população de que não pode haver aglomerações. Além disso, o prefeito do Rio disse crer em uma normalização em até 15 dias.

    A fala de Crivella acontece um dia após Bolsonaro defender, em rede nacional, a retomada da normalidade e o confinamento exclusivo de pessoas com mais de 60 anos. O presidente classificou o novo coronavírus como uma "gripezinha" e criticou a imprensa por uma suposta "histeria".

    Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e governador do estado, Wilson Witzel
    © Sputnik / George Yurievitch Ribeiro
    Prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e governador do estado, Wilson Witzel, participam da abertura do Congresso Mundial das Câmaras de Comércio, 12 de junho

    Entretanto, o governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, já indicou que vetará a reabertura de qualquer comércio na capital fluminense, de acordo com informações do jornal O Globo. Contrário ao que disse Bolsonaro, ele prepara um decreto para desautorizar Crivella.

    A postura de Crivella, bispo licenciado da Igreja Universal e ex-senador, contraria o posicionamento da Frente Nacional de Prefeitos, que criticou a fala e as atitudes de Bolsonaro no combate à COVID-19.

    De olho na reeleição, Crivella se aproximou nos últimos meses da família Bolsonaro, tendo visitado o presidente da República em Brasília, de olho no potencial de votos que poderia ter em caso de apoio do ex-capitão do Exército.

    Horas mais tarde, diante da repercussão do anúncio, o prefeito do Rio divulgou nota em que reforçou que apenas lojas de conveniência e de material de construção poderiam reabrir. E destacou que os números é que irão determinar as próximas ações do governo municipal.

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (234)

    Mais:

    Caiado rompe com Bolsonaro: 'Ignorância não é uma virtude!'
    OMS contraria Bolsonaro e defende confinamento como ataque contra a COVID-19
    Brasil tem 2.433 casos da COVID-19 e 57 mortes, diz Ministério da Saúde
    Tags:
    política, saúde, coronavírus chinês, novo coronavírus, COVID-19, Jair Bolsonaro, Marcelo Crivella, Wilson Witzel, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar