07:48 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)
    151214
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro fez um novo pronunciamento na noite desta terça-feira na cadeia de rádio e televisão, no qual atacou a imprensa e defendeu o fim do confinamento em massa que vem sendo incentivado por alguns estados e municípios na luta contra a COVID-19.

    Segundo Bolsonaro, desde o resgate de brasileiros em Wuhan, na China, epicentro da pandemia do novo coronavírus, o governo vem realizando ações preventivas e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, vem realizando "um excelente trabalho" neste sentido.

    "Mas, o que tínhamos que conter naquele momento era o pânico, a histeria, e ao mesmo tempo traçar a estratégia para salvar vidas e evitar o desemprego em massa", prosseguiu o presidente, acusando "grande parte dos meios de comunicação" de irem na contramão.

    "Espalharam exatamente a sensação de pavor, tendo como carro-chefe o anúncio do grande número de vítimas na Itália, um país com um grande número de idosos e com um clima totalmente diferente do nosso", continuou.

    Depois de parabenizar a imprensa de maneira irônica por ter pedido calma de tranquilidade nas últimas 24 horas em seus editoriais, Bolsonaro garantiu que o vírus "brevemente passará", defendendo assim que a vida volte ao que ele chamou de normalidade.

    "Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa", sentenciou o presidente, contrariando medidas que buscam evitar a aglomeração de pessoas.

    Para Bolsonaro, já está claro que o grupo de risco é o de pessoas acima de 60 anos, algo que, de acordo com ele, não justifica o fechamento de escolas – especialistas dizem que crianças e jovens podem ser vetores do novo coronavírus, mesmo que assintomáticos.

    Por fim, o presidente ainda destacou que, "pelo meu histórico de atleta", ele não precisaria se preocupar caso fosse infectado pela COVID-19, já que seria atingido no máximo "por uma gripezinha ou um resfriadinho".

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)

    Mais:

    Hospital que examinou Bolsonaro omite nomes de testes positivos de coronavírus
    Coronavírus mostra que mundo pode 'agir rápido' em crises, diz Greta Thunberg
    Número de casos de coronavírus confirmados no Brasil passa de 2 mil
    Tags:
    pronunciamento, saúde, Jair Bolsonaro, COVID-19, novo coronavírus, China, Wuhan, Itália, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar