22:33 01 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1 0 0
    Nos siga no

    O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, considerou a medida do pacote anticrime que cria o juiz de garantias constitucional, mas adiou o início de sua implementação por seis meses.

    As regras aprovadas pelo Congresso, e depois sancionadas pelo presidente Jair Bolsonaro, estão previstas para entrar em vigor em 23 de janeiro.

    De acordo com Toffoli, o judiciário precisa de tempo para se ajustar à regra. Antes de anunciar sua decisão, o presidente do STF se reuniu com o ministro da Justiça, Sergio Moro. 

    Toffoli analisou a medida após três ações serem apresentadas no Supremo contra o juiz de garantias: uma do Podemos e do Cidadania; outra da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe); e a terceira do PSL, antigo partido de Bolsonaro.

    Segundo as ações, a lei não previu regra de transição, embora exista um prazo de 30 dias para a criação do juiz de garantias.

    Em sua decisão, Toffoli suspendeu por tempo indeterminado a aplicação da norma do juiz de garantias para processos de competência originária do STF, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de Tribunais de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais (TRFs). Entre esses processos estão investigações contra autoridades com direito ao foro privilegiado.

    O juiz de garantias não estava no conjunto de medidas elaboradas por Moro, e enviado ao Congresso, o chamado pacote anticrime. Os parlamentares retiraram vários trechos do texto e criaram outras propostas. 

    No final de dezembro, Bolsonaro vetou apenas algumas, mas aprovou a maior parte do texto, inclusive o juiz de garantias, apesar da posição contrária de Moro. 

    Mais:

    Dias Toffoli revê decisão e estabelece voto secreto para eleição da presidência do Senado
    Toffoli revoga decisão sobre acesso de dados de 600 mil contribuintes
    Toffoli na presidência do STF: um ano de crise e polêmicas
    Pacote anticrime de Moro tem mais virtudes ou pecados?
    Senado mantém excludente de ilicitude de fora de pacote anticrime de Moro
    Tags:
    crime, congresso, justiça, Supremo Tribunal Federal, juizes, STF, Dias Toffoli, Jair Bolsonaro, Sergio Moro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar