14:19 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
     Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia.

    Política externa de Bolsonaro prejudica interesses econômicos do Brasil, diz especialista

    ©André Cran/Folhapress
    Brasil
    URL curta
    2165
    Nos siga no

    Grande produtor de proteína animal, o Brasil pode ter problemas com suas exportações de carne por conta das queimadas na Amazônia e o desmatamento. A avaliação é da agência de classificação de riscos Fitch.

    De acordo com a empresa dos Estados Unidos, uma política ambiental segura pode melhorar o perfil de crédito das empresas da área, revelou a agência de notícias Reuters.

    A Sputnik Brasil entrevistou o professor de relações internacionais da FAAP e da PUC-SP David Magalhães sobre o comunicado da Fitch e os rumos da política externa brasileira.

    Na avaliação de Magalhães, o alerta reflete uma maior preocupação do comércio global com temas como direitos humanos e preservação ambiental.

    "A partir dos anos 1990, há um entrelaçamento muito grande de uma agenda comercial aos chamados novos temas, principalmente os tópicos relativos aos direitos humanos e meio ambiente. Essa agenda é particularmente relevante para países europeus e para a ONU. Então há um certo consenso na comunidade internacional de que o comércio deve vir acompanhado de responsabilidades no campo ambiental e humanitário", afirma Magalhães.

    Durante a fase mais aguda da repercussão internacional sobre os incêndios na Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) chegou a acusar o seu homólogo francês, Emmanuel Macron, de colonialismo. Bolsonaro também disse que a Alemanha poderia usar o dinheiro que decidiu não investir no Fundo Amazônia, por conta de discordâncias sobre os rumos da política ambiental nacional, para reflorestar seu próprio território. 

    Magalhães avalia que a postura de Bolsonaro, e do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, prejudica os interesses econômicos do Brasil e cita como exemplo o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia, que estabelece regras ambientais para os signatários

    "O que nosso chanceler atribuí a uma espécie de conspiração globalista para destruir as nossas tradições e invadir nossa soberania é, na verdade, uma agenda plenamente aceita inclusive por alguns partidos da extrema-direita europeia."

    Mais:

    Governo Bolsonaro cancela decreto que proíbe cultivo de cana na Amazônia
    Bolsonaro comemora resultado do leilão do pré-sal
    Olavista que convocou 'guerra cultural' é nomeado secretário de Cultura do governo Bolsonaro
    Análise: recusa de Bolsonaro em ir à posse de Fernández afetará principalmente Argentina
    Bolsonaro se pronuncia pela 1ª vez sobre soltura de Lula: 'Não dê munição ao canalha'
    Tags:
    Fitch, ONU, Jair Bolsonaro, Ernesto Araújo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar