10:40 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Área desmatada da Amazônia nas proximidades de Porto Velho.

    GLO na Amazônia termina: analistas fazem balanço da atuação dos militares

    © AFP 2019 / CARLOS FABAL
    Brasil
    URL curta
    0 82
    Nos siga no

    Depois de dois meses, os militares que foram acionados para combater a crise de incêndios na Amazônia terminaram sua tarefa. A Sputnik Brasil ouviu dois especialistas para fazer um exame da medida.

    Pressionado pelas críticas internacionais e por protestos no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para conter os crescentes incêndios na Amazônia, que explodiram na comparação com períodos anteriores e chegaram a fechar o aeroporto de Porto Velho.

    Inicialmente prevista para durar um mês, a medida foi prorrogada por mais 30 dias. A ação abriu caminho para o uso das Forças Armadas na fiscalização ambiental e no combate aos incêndios. 

    Em balanço divulgado pelo Ministério da Defesa após o primeiro mês da medida, que foi batizada de "Operação Verde Brasil", foi informado que 8.170 pessoas estavam envolvidas, além de 143 viaturas, 12 aeronaves e 87 embarcações. Ainda de acordo com o Ministério da Defesa, 27 veículos e 63 pessoas foram detidas, além de R$ 36,3 milhões em termos de infração terem sido aplicados. 

    O secretário-geral da ONG SOS Amazônia no Acre, Miguel Scarcello, afirma que Bolsonaro demonstrou "compromisso e seriedade" com a GLO, mas avalia que houve um "enfraquecimento dos órgãos de controle ambiental". 

    "No caso do Exército, seria interessante a permanência deles, para evitar que o desmatamento reinicie", diz Scarcello à Sputnik Brasil.

    O membro da SOS Amazônia acredita que a presença das Forças Armadas ajudou na diminuição dos incêndios, mas ressalta que a chegada do período de chuvas também contribuiu para o controle do fogo. 

    Já o advogado e especialista em direito ambiental Fernando Pinheiro Pedro avalia de maneira positiva a GLO: "É uma resposta muito boa, inclusive no cenário internacional".

    "Acredito que o Governo Federal tenha acordado para a questão. A presença militar é importante do ponto de vista de ostensividade, ela por si só tem essa capacidade de inibir, a presença ostensiva é muito importante", diz Pedro à Sputnik Brasil. 

    Mais:

    'Estamos muito perto de um momento de colapso', alerta agrônomo sobre incêndios na Amazônia
    Sínodo da Amazônia: Papa pede respeito à cultura dos povos indígenas
    Desmatamento na Amazônia cresce 92,7% de janeiro a setembro
    Sínodo da Amazônia: deputados brasileiros entregam relatório de direitos humanos a bispos
    Pirarucu: o peixe da Amazônia que desenvolveu 'armadura' antipiranha
    Mourão fala em invasão da Amazônia para criar 'inimigo externo', diz analista
    Tags:
    Forças Armadas do Brasil, Jair Bolsonaro, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar