18:02 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
     Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia.

    Desmatamento na Amazônia cresce 92,7% de janeiro a setembro

    ©André Cran/Folhapress
    Brasil
    URL curta
    434
    Nos siga no

    O desmatamento na Amazônia subiu 92,7% entre janeiro e setembro desse ano em comparação com o mesmo período de 2018, segundo dados do sistema Deter, do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). 

    O Deter (Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real), mecanismo em funcionamento desde 2004, dispara alertas para orientar ações do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis). Os últimos três meses foram os mais críticos, com as maiores altas de desmatamento desde 2015 e 2016.

    Em junho, houve aumento de 90% ante o mesmo período de 2018; em julho, o crescimento foi 278%; e em agosto o salto alcançou 222%. Já no mês passado a alta foi de 96%, o que representa cerca de 1.447 km² de floresta devastados. 

    Entre janeiro e setembro de 2019, foram 7.853 km² de mata destruídos, ante os 4.075 km² do mesmo período do ano passado - um aumento de 92,7%. 

    O Deter não mede precisamente a área desmatada, o que só é feito anualmente pelo sistema Prodes (Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia), mas aponta uma tendência e valores estimados. A partir dos seus dados o Ibama atua para combater a derrubada da floresta. 

    Incêndios na floresta geraram crise internacional

    O primeiro resultado do Prodes abrangendo o período em que o presidente Jair Bolsonaro está no poder deve sair em novembro. O sistema compila os dados de agosto de um ano a julho do outro. O Prodes indica um aumento do desmatamento desde 2012. 

    Em agosto, a divulgação dos dados do INPE sobre o aumento das queimadas na Amazônia gerou uma crise internacional para o governo Bolsonaro. Líderes mundiais como a chanceler  alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, Emmanuel Macron, expressaram preocupação com a floresta. 

    O então diretor da INPE, Ricardo Galvão, recebeu críticas do governo por revelar os dados e acabou sendo exonerado. As últimas informações da instituição mostram que os focos de incêndios diminuíram em setembro.

    Mais:

    Internações de crianças por problemas respiratórios dobra na Amazônia devido às queimadas
    Senadora atribui aumento das queimadas na Amazônia às declarações de Bolsonaro
    'Estamos muito perto de um momento de colapso', alerta agrônomo sobre incêndios na Amazônia
    Sínodo da Amazônia: Papa pede respeito à cultura dos povos indígenas
    Tags:
    floresta, Ibama, INPE, Jair Bolsonaro, queimadas, incêndio, desmatamento, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar