22:29 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março

    Polícia do Rio perdeu imagens que poderiam identificar assassinos de Marielle

    © Foto / Dayane Pires/CMRJ
    Brasil
    URL curta
    13517
    Nos siga no

    A Polícia Civil do Rio de Janeiro perdeu imagens do carro dos suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco gravadas no dia do homicídio, em 14 de março de 2018.

    A informação foi publicada neste domingo (13) pelo UOL, que afirma ter confirmado o episódio com fontes ligadas à apuração do assassinato de Marielle e seu motorista, Anderson Gomes. 

    De acordo com a publicação, "imagens relevantes" foram encontradas em um estabelecimento comercial na Tijuca, bairro na Zona Norte do Rio, que poderiam ajudar na identificação dos autores do homicídio. O registro foi recolhido pela Polícia Civil logo após o crime e salvo em um pen drive, mas os policiais voltaram ao local cerca de 15 dias depois e solicitaram as imagens novamente, porque haviam perdido o arquivo. 

    Todavia, não foi possível recuperar as imagens nessa segunda ocasião.

    Segundo denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz são responsáveis pelos assassinatos. A defesa dos policiais nega a acusação do MP carioca. 

    Ainda de acordo com o UOL, o delegado Giniton Lages, que chegou a comandar as investigações sobre a morte de Marielle, afirmou em depoimento à Justiça que houve problemas para analisar imagens captadas por câmeras de segurança porque os policiais salvavam os arquivos no "formato errado".

    Mais:

    Justiça autoriza contratação de empresa para desbloquear celulares de suspeitos de matar Marielle
    Ao deixar cargo, Dodge pede federalização do caso Marielle
    Membros da família de suposto assassino de Marielle Franco são presos no Rio
    Marielle e Cacique Raoni são finalistas de prêmio de direitos humanos da União Europeia
    Tags:
    Polícia Civil do Rio de Janeiro, assassinato, Anderson Gomes, Marielle Franco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar