12:15 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Lote queimado é visto na Floresta Nacional de Jamanxim na Amazônia, no estado do Pará, Brasil, 11 de setembro de 2019

    Internações de crianças por problemas respiratórios dobra na Amazônia devido às queimadas

    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Brasil
    URL curta
    201
    Nos siga no

    O número de crianças internadas por problemas respiratórios dobrou nos nove estados da Amazônia Legal, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira (2) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

    O balanço foi feito em aproximadamente 100 municípios com objetivo de avaliar o impacto das queimadas na Amazônia.

    De acordo com a pesquisa, em maio e junho deste ano foram registradas nessas cidades um total de 5.091 internações por mês, quando o valor esperado seria de 2.589. O resultado sugerem um excesso de 2,5 mil internações de crianças nos municípios mais impactados pelas queimadas. 

    Gasto de R$ 1,5 milhão ao SUS

    Os piores resultados foram verificados no Pará, Rondônia, Maranhão e Mato Grosso. Segundo o estudo, as hospitalizações geraram um gasto de R$ 1,5 milhão ao Sistema Único de Saúde (SUS). 

    A Fiocruz ressalta que viver em cidades próximas a focos de incêndio aumenta em 36% o risco de internação por problemas respiratórios, como bronquite, alergia e asma, por exemplo. 

    O levantamento aponta ainda que em cinco dos nove estados da região houve aumento na morte de crianças hospitalizadas por problemas respiratórios. Em Rondônia, entre janeiro e julho de 2019, ocorreram 393 mortes a cada 100 mil crianças com menos de 10 anos, contra 287 mortes no mesmo período do ano passado. 

     Em Roraima, 2.398 crianças a cada 100 mil morreram internadas por problemas respiratórios no primeiro semestre de 2019, ante 1.427 no mesmo período de 2018. 

    “As queimadas na Amazônia representam um grande risco à saúde da população”, diz o estudo. O pesquisador da Fiocruz Christovam Barcellos explica que as crianças "são mais sensíveis a fatores externos, como a poluição", e seu "sistema imunológico ainda está em desenvolvimento". 

    Mesmo assim, adultos, principalmente aqueles com doenças crônicas e idosos, podem ser afetados pela poluição das queimadas.

    Resíduo tóxico pode viajar centenas de quilômetros 

    Em algumas cidades próximas aos focos de incêndio o número de internações foi mais de cinco vezes maior do que o esperado. Mas o chamado "material particulado" - resíduo tóxico gerado por queima - pode alcançar grandes cidades situadas a centenas de quilômetros dos focos de queimadas, devido ao transporte de poluentes pelos ventos. 

    "Os poluentes emitidos por estas queimadas podem ser transportados a grande distância, alcançando cidades distantes dos focos de queimadas. Dentre os poluentes, encontram-se o material particulado fino, monóxido de carbono, dióxido de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis que podem causar o agravamento de quadros de cardiopatia, inflamação das vias aéreas, inflamação sistêmica e neuroinflamação, disfunção endotelial, coagulação, aterosclerose, alteração do sistema nervoso autônomo, e danos ao DNA, com potencial carcinogênico", afirma a pesquisa. 

    Mais:

    Suposto separatismo do Sínodo da Amazônia é 'pura falsidade', diz representante do Vaticano
    Ambientalistas acusam governo de não ouvir sociedade sobre projeto na Amazônia
    'Bolsonaro foi estadista firme na ONU', diz advogado da área ambiental
    Bolsonaro investirá em campanha mundial de publicidade por Amazônia: 'Brazil by Brasil'
    Tags:
    Fiocruz, doenças, incêndio, queimadas, saúde, SUS, Floresta Amazônica, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar