11:46 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Árvores queimadas durante os incêndios florestais na Amazônia (imagem ilustrativa)

    Incêndios na Amazônia diminuem em setembro, mas Bolsonaro apoia garimpeiros

    © REUTERS / Bruno Kelly
    Brasil
    URL curta
    234
    Nos siga no

    O número de incêndios na Amazônia brasileira diminuiu muito em setembro, após o aumento alarmante em julho e agosto. No entanto, servidores disseram que a luta continua porque as autoridades seguem promovendo o desenvolvimento econômico em áreas naturais protegidas.

    Os incêndios na Amazônia foram reduzidos em 35,5% em setembro em relação a agosto, com 19.925, segundo informações publicadas nesta terça-feira pelo site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil (INPE).

    Dados oficiais de 1998 mostram que, historicamente, setembro tende a registrar mais incêndios do que agosto. O fogo é geralmente usado para desmantelar terras por grileiros e agricultores, bem como por madeireiros e garimpeiros que o fazem ilegalmente.

    No entanto, em julho e agosto, algumas partes da Amazônia foram queimadas a uma taxa que não era vista desde 2010, alimentando preocupações internacionais sobre as mudanças climáticas.

    Os cientistas disseram que a vasta floresta tropical é um reduto contra o aquecimento global, porque sua vegetação abundante absorve dióxido de carbono, um gás de efeito estufa. A umidade fornecida por suas árvores também afeta os padrões de chuva e o clima na América do Sul e além.

    Uma onda de indignação em nível internacional fez com que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro proibisse a queima de terras na Amazônia por 60 dias, além de enviar elementos de forças federais para ajudar a combater as chamas.

    Grupo Especializado de Fiscalização (GEF) do Ibama realiza operação de combate a garimpo ilegal na Terra Indígena Kayapó, no estado do Pará, Brasil.Foto secom Ibama
    Fotos Públicas / secom Ibama
    Grupo Especializado de Fiscalização (GEF) do Ibama realiza operação de combate a garimpo ilegal na Terra Indígena Kayapó, no estado do Pará, Brasil.Foto secom Ibama

    Mas a região do Cerrado, uma enorme savana tropical, agora parece ser o lar da maioria dos incêndios, que aumentaram 76% em setembro em comparação a agosto.

    Pressão pelos garimpos

    Servidores estatais de algumas agências ambientais do Brasil informaram sentir uma pressão crescente de madeireiros e garimpeiros que realizam atividades ilegais, que foram impulsionados pela agenda em favor do desenvolvimento de Bolsonaro.

    O presidente declarou em várias ocasiões que deseja promover o desenvolvimento econômico da Amazônia e regularizar a mineração em pequena escala, conhecida como garimpo. Ele também criticou o trabalho dos órgãos ambientais estaduais.

    "Eu tenho que cumprir a lei", disse Bolsonaro a uma pequena multidão de garimpeiros ilegais reunidos do lado de fora do Palácio do Planalto, em Brasília, onde se encontrou nesta terça-feira com representantes de garimpos e seu ministro de Minas e Energia.

    Bolsonaro mencionou que, se conseguir encontrar uma estrutura legal para isso, poderá enviar elementos das forças do país para o estado do Pará para ajudar os garimpeiros a realizar suas atividades.

    "O interesse na Amazônia não é pelos povos indígenas ou pelas árvores, é pelos minerais", afirmou Bolsonaro, mais uma vez criticando os países que intervieram no que ele considera uma questão nacional.

    Mais:

    Dinheiro para Amazônia: uso de fundo bilionário da Petrobras é homologado pelo STF
    Materiais obtidos pelo The Intercept mostram plano 'paranoico' de Bolsonaro na Amazônia
    Ambientalistas acusam governo de não ouvir sociedade sobre projeto na Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar