11:09 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes pedem justiça para a menina Ágatha Félix, morta no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro

    Brasil e Witzel são denunciados na ONU após assassinato da menina Ágatha no Rio

    © Folhapress / José Lucena / Futura Press
    Brasil
    URL curta
    12207
    Nos siga no

    O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e o Estado brasileiro foram denunciados na Organização das Nações Unidas (ONU) neste sábado, horas depois da morte da menina Ágatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, atingida por um disparo de fuzil no Complexo do Alemão.

    De acordo com a ONG Justiça Global, dedicada aos direitos humanos, os documentos com o conteúdo da denúncia foram enviados à Alta Comissária da ONU para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e à Relatoria Especial sobre Execuções Sumárias e Extrajudiciais.

    Na noite de sexta-feira, Ágatha foi atingida por um tiro quando estava dentro de uma Kombi na comunidade Fazendinha, que integra o Complexo do Alemão, na zona norte do Rio. Socorrida, ela não resistiu ao ferimento e morreu na madrugada de sábado.

    A Polícia Militar do Rio afirmou, em nota, que agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade reagiram em uma troca de tiros. A versão, porém, foi negada por moradores e pelo avó de Ágatha, uma das vozes a culpar a polícia pelo disparo fatal.

    Mais tarde, moradores realizaram um protesto pedindo o fim da violência e a responsabilização do autor do tiro que matou a criança. Nas redes sociais, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad chamou Witzel de 'assassino' e defendeu o seu impeachment.

    Segundo o blog do jornalista Jamil Chade, assinam ainda a denúncia contra Witzel e o Brasil os movimentos Papo Reto, Fórum Grita Baixada, Instituto Raízes em Movimento, Fórum Social de Manguinhos, Mães de Manguinhos, Movimento Moleque, Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência e Arquitetxs Faveladxs.

    Os movimentos querem que o governo brasileiro e do Rio sejam cobrados pela morte da criança, no que seria mais um episódio de "genocídio" da juventude negra nas comunidades do Rio. Além disso, as organizações afirmam que o assassinato de Ágatha é "consequência direta da política de 'abate'" fomentada por Witzel, com o respaldo da gestão Bolsonaro.

    O governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, comemora a morte de um sequestrador na ponte Rio-Niterói no dia 20 de agosto de 2019.
    O governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, comemora a morte de um sequestrador na ponte Rio-Niterói no dia 20 de agosto de 2019.

    Novo embate com Bachelet

    A denúncia de mais uma morte em uma comunidade carente brasileira chega às vésperas do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU, marcado para a próxima terça-feira. E quem deve analisá-lo é Bachelet, ex-presidente do Chile e que foi recentemente atacada pelo mandatário brasileiro – ele elogiou o general e ditador Augusto Pinochet, responsável pelo regime militar que matou o pai da atual comissária da ONU.

    Bachelet está a par da violência policial e do que ela chamou de encolhimento dos espaços democráticos no Brasil – foram tais opiniões que geraram a reação virulenta de Bolsonaro.

    Com uma média de cinco mortes por dia, a polícia do Rio é conhecida como a mais letal do Brasil, tendo matado 1.534 pessoas no ano passado. Em 2019, sob o governo de Witzel, as mortes em ações policiais vêm batendo recordes, apesar dos homicídios estarem em queda no estado.

    De acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP) do Rio, de janeiro a agosto deste ano, 1.249 pessoas foram mortes por intervenção de agentes do estado – quase 200 pessoas a mais do que no mesmo período do ano passado –, o que corresponde a um aumento de 16%.

    Até o momento, nem Witzel, nem Bolsonaro, ou tampouco o ministro da Justiça, Sergio Moro, se pronunciaram sobre a morte de Ágatha.

    Mais:

    Governador do Rio, Witzel diz que 'é questão de tempo' para virar presidente do Brasil
    Filho de Bolsonaro e Witzel querem drones de Israel para abater bandidos, diz jornal
    Ato em Copacabana homenageia menino morto pela polícia e critica violência policial
    Tags:
    juventude, direitos humanos, ONU, Augusto Pinochet, Michelle Bachelet, Wilson Witzel, Jair Bolsonaro, UPP, execução, assassinato, violência policial, violência, genocídio, Complexo do Alemão, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar