15:05 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    O governador Wilson Witzel toma posse na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) .

    Witzel não pode dar licença para matar, diz criminalista sobre uso de atiradores de elite

    © Foto : Tomaz Silva/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1433

    O uso de snipers, como são conhecidos os atiradores de elite, não significa que a Polícia Militar e o governador Wilson Witzel podem ignorar a legislação penal. A avaliação é do advogado criminalista Yuri Sahione.

    O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse em entrevista ao jornal O Globo no domingo (31) que os atiradores de elite já estão sendo utilizados nas ações policiais. O uso deles já havia sido prometido pelo governador em 2018, quando afirmou que os spiners iriam "abater" quem estivesse portando um fuzil.

    "A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e… fogo."

    Após a mais recente declaração de Witzel, o Ministério Público enviou ofícios pedindo explicações sobre o uso de atiradores de elite para o governador e os secretários da Polícia Civil e Militar.

    Moradores de Manguinhos, zona norte do Rio de Janeiro, já denunciaram à Defensoria Pública que um sniper estaria atirando contra moradores da torre da Cidade da Polícia, sede da Polícia Civil. O possível atirador já feriu e matou moradores da comunidade. O Ministério Público investiga o caso.

    Na avaliação de Sahione, a legislação penal brasileira não permite que os criminosos sejam assassinados por estarem portando fuzis. Segundo o criminalista, os casos em que a força policial pode ser utilizada são reguladas e atirar em um criminoso pelas costas, por exemplo, é um homícidio.

    "Em nenhum estatuto jurídico está prevista a possibilidade do Estado implementar execuções extrajudiciais, ou seja, situações em que o Estado, que não é o juiz, decide quando uma pessoa pode morrer ou não."

    Sahione também ressalta que a legislação não garante nenhuma "licença para matar" e que Witzel "deve obediência à lei penal, assim como nós". O advogado criminalista diz que tanto Witzel como os policiais que cometem crimes podem ser processados.

    Em 2018, a polícia do Rio de Janeiro matou 1.534 pessoas, uma média de mais de 4 vítimas por dia. No mesmo período, 92 policiais militares foram assassinados.

    Mais:

    'Gigantes' roubam a cena no primeiro dia da LAAD 2019 no Rio (FOTOS)
    Câmara do Rio abre processo de impeachment contra Crivella
    Câmara do Rio recebe outro pedido de impeachment contra Crivella
    Polícia do Rio apreende menor que ameaçava realizar atentado em escola
    Tags:
    Wilson Witzel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar