06:02 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Relatorio aprovado na Comissão do Impeachment
    Geraldo Magela/Agência Senado

    Após aprovação de parecer na Comissão, Governo tenta barrar impeachment no Plenário

    Brasil
    URL curta
    1221
    Nos siga no

    Depois da aprovação do relatório do Senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), nesta sexta-feira (6), pela Comissão do Impeachment dando continuidade ao processo contra Dilma Rousseff, por 15 votos a favor e 5 contra, os governistas tentam agora barrar o impeachment na votação no Plenário, marcada para quarta-feira(11).

    O resultado da votação desta sexta-feira(6) não foi surpresa para o Governo, pois ele já sabia que era minoria de votos na Comissão de Impeachment. 

    O Líder do governo no Senado,  Humberto Costa disse à imprensa da Casa, que o objetivo agora é continuar trabalhando para tentar reverter a opinião de alguns senadores sobre a abertura do processo de impeachment no Plenário. 

    Humberto Costa se diz confiante, que o resultado no Plenário será diferente.

    “Nós temos trabalhado no sentido de buscar argumentos convincentes para fazer com que muitos senadores possam mudar a sua opinião. Aqui os integrantes da Comissão são escolhidos a dedo entre aqueles que já eram inicialmente contra a Presidenta Dilma, e a favor do impeachment. No Plenário nós teremos um resultado diferente. Não posso prever se teremos condição de derrotar ou não essa proposição porque na Câmara, o processo para a aprovação da admissibilidade era de 2/3, e aqui é a maioria simples, mas certamente nós teremos mais de 1/3 dos votos dos senadores. O que aponta que para o final do processo poderemos sim impedir a continuidade desse golpe.”

    Na sessão da Comissão nesta sexta-feira (6), após o encaminhamento de todos os votos pelos líderes, o último a falar foi o relator Antonio Anastasia (PSDB-MG). O senador reafirmou que está com a consciência tranquila, pois seu parecer favorável ao impeachment foi dado com responsabilidade.

    “Eu tenho a tranquilidade, a consciência tranquila, e a seriedade, que trabalhei com empenho, com afinco e com minha responsabilidade no parecer que hoje submete a votação de meus pares.”

    A reunião foi marcada por muita confusão e chegou a ser interrompida por alguns minutos. Ao ser retomada, os governistas, através da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR),pediram a suspensão do processo alegando que ele começou pelo presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como forma de vingança por não conseguir o apoio do PT no Conselho de Ética, mas a questão de ordem foi negada.

    A primeira votar a favor do relatório de Anastasia, foi a senadora Ana Amélia(PP). Ao dizer que era a favor do parecer, a senadora afirmou que ninguém está acima da lei.

    “Todos são iguais perante a lei, inclusive o Presidente da República, que deve responder e ser julgado pelos seus atos. Assim, voto pela aprovação do relatório.”

    Os governistas declararam seus votos contra o parecer, afirmando que o processo do impeachment não tem legalidade. O vice-líder do PDT, senador Telmário Mota (RR), criticou o relatório de Anastasia.

    “Esse processo de impeachment não está fundamentado na lei. É verdade que o relatório do senador Anastasia vai entrar para a história sim, mas para a história daquele relatório que rasgou a Constituição brasileira.”

    O Presidente da Comissão de Impeachment, Raimundo Lira fez uma avaliação do trabalho do colegiado após a votação. Para o senador, o trabalho além de ter sido organizado foi suprapartidário.

    “Saio com o sentimento de dever cumprido por ter dado espaço para que todos pudessem trabalhar,” disse Raimundo Lira. 

    Caso o Plenário aprove o processo de impeachment na votação de quarta-feira (11), a Presidenta Dilma vai ser afastada por até 180 dias e o vice Michel Temer assumirá a presidência.

     

    Tags:
    senadores, governo, impeachment, Comissão do impeachment, Senado Federal, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar