- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Dilma sobre processo de impeachment: 'Resistirei até o último dia'

REPORTAGEM DILMA RENUNCIA
Nos siga noTelegram
Em cerimônia de assinatura de contratos para a construção de 25 mil unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida, com entidades rurais e urbanas, no Palácio do Planalto, a Presidenta Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (6), que vai resistir ao processo de impeachment que tramita contra ela no Senado Federal.

Dilma Rousseff garantiu que não vai renunciar ao cargo e que tem disposição para resistir até o último dia.  

“Nós sabemos que a história deixará bem claro quem é quem nesse processo. Eu tenho absoluta certeza, por isso sempre quiseram que eu renunciasse, porque eu sou muito incomoda, primeiro porque eu sou a Presidenta eleita, segundo, porque eu não cometi nenhum crime, terceiro, porque se eu renuncio, eu deixo e enterro a prova viva de um golpe absolutamente sem base legal, e que tem como objetivo ferir interesses, e ferir conquistas adquiridas ao longo dos últimos 13 anos. Eu tenho a disposição de resistir. Resistirei até o último dia.”

A Presidenta voltou a se defender dizendo que não cometeu nenhum crime  e que o governo foi vítima de chantagem por parte do deputado e presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha(PMDB-RJ).

Dilma explicou que não entende o fato de nos governos anteriores ao dela, todos os presidentes usaram as mesas práticas que ela usou, porém, naquela época não era crime e agora é.

“O meu processo é tão violento, porque foi necessário uma pessoa destituída de princípios morais e éticos, acusada de lavagem de dinheiro e de contas no exterior para perpetrar o golpe. Ontem, o Supremo (STF) disse que o senhor Eduardo Cunha era uma pessoa que usava de práticas condenáveis. Uma das práticas mais condenáveis foi a chantagem explícita feita pelo senhor Eduardo Cunha com o meu governo.”

Comissão do impeachment em sessão no Senado - Sputnik Brasil
Comissão Pastoral da Terra acredita em reversão de tendência do impeachment no Senado

Dilma Rousseff seguiu atacando em discurso o deputado afastado Eduardo Cunha, e o vice-presidente Michel Temer, os acusando de serem cúmplices no seu processo de impeachment.

“Todos aqueles que são beneficiários  desse processo, por exemplo, aqueles que estão usurpando o poder, infelizmente, o senhor vice-presidente da República, são cúmplices do processo extremamente grave.”

Enquanto a Presidenta discursava, a Comissão Especial do Impeachment no Senado decidiu dar continuidade ao processo de impeachment contra ela, após votação que teve 15 votos a favor a 5 contra. O processo de impeachment segue agora para votação no Plenário da Casa, marcada para quarta-feira, dia 11 de maio. Se o relatório for aprovado no Plenário, Dilma Rousseff vai ser afastada por até 180 dias e o vice Michel Temer assumirá a Presidência.


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала