04:32 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6563
    Nos siga no

    Em meio às sanções dos EUA sobre o setor tecnológico chinês e atual crise de escassez de microchips, Xi Jinping nomeou um dos homens mais fortes de seu Gabinete como responsável pelo desenvolvimento de chips de terceira geração.

    O alto funcionário escolhido pelo presidente chinês Xi Jinping é o vice-primeiro-ministro do país asiático, Liu He, responsável pela banca, indústria e outras pastas. O vice-premiê já se encontra à frente do grupo de trabalho centrado na reforma tecnológica do país desde 2018.

    Liu está agora empenhado em criar um esquema de financiamento para o programa de desenvolvimento e capacidades de chips de terceira geração, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto citadas pela agência Bloomberg. Além do mais, ele supervisaria os projetos para desenvolver um software fabricado na China para o design de chips e máquinas de litografia ultravioleta extrema.

    O objetivo final do gigante asiático seria evadir às sanções implementadas por Washington e atingir a independência tecnológica. Para isso, a China tenta utilizar novos materiais, diferentes do silício tradicional do qual são feitos a maioria dos semicondutores, para assim ganhar uma vantagem sobre outras nações.

    Neste momento, nenhum país assume a liderança na fabricação de chips com materiais novos, então pode ser uma boa hora para a China ficar na vanguarda. Além disso, a crise de escassez empurrou países como Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos a modernizarem sua indústria de semicondutores.

    "A China é o maior usuário de chips do mundo. Então, a segurança da cadeia de suprimentos é de elevada prioridade. Não é possível que um país controle toda a cadeia de suprimentos, mas o esforço de um país é definitivamente mais forte que o de uma única empresa", ressaltou Gu Wenjun, analista-chefe da empresa de pesquisa ICwise.

    Consequência das sanções

    As sanções impostas durante a administração Trump já afetaram empresas tecnológicas chinesas. Uma das mais afetadas é a Huawei, a qual foi incorporada em uma lista negra de exportações em 2019, recebendo a proibição de acesso à tecnologia crítica de origem norte-americana. Isso reduz sua capacidade para desenvolver seus próprios chips e obter componentes de fornecedores externos.

    Além disso, a lista negra proibiu a Google de prestar suporte técnico aos novos modelos de telefones da Huawei e o acesso aos serviços móveis da empresa norte-americana, o pacote de serviços para desenvolvedores no qual se baseiam a maioria de aplicativos de Android.

    No último balanço das receitas do primeiro trimestre de 2021, os ganhos anuais da Huawei caíram 16,5%, até 152,2 bilhões de yuans (cerca de R$ 118 bilhões).

    Mais:

    Após maior incursão de aeronaves perto de Taiwan, China diz que deve responder ao 'conluio'
    China lança com sucesso espaçonave tripulada Shenzhou-12 para sua futura estação orbital (VÍDEOS)
    Próxima etapa de procura por origem da COVID-19 deve ser focada nos EUA, diz epidemiologista chinês
    Tags:
    lista negra, Xi Jinping, Huawei, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar