23:29 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0516
    Nos siga no

    Em 2019, o governo norte-americano adicionou a Huawei em sua "lista negra" econômica, o que proibia as empresas dos EUA de fazer negócios com a gigante chinesa sem a aprovação prévia do governo Trump.

    A gigante chinesa de tecnologia Huawei perdeu sua participação no mercado de smartphones para rivais como a norte-americana Apple e a sul-coreana Samsung devido às severas sanções dos EUA, afirmou um alto executivo da empresa chinesa.

    "Em menos de dois anos, os EUA aplicaram quatro rodadas de sanções contra a Huawei, cada uma delas mais severas do que a anterior. [As sanções] causaram dificuldades extremas aos negócios de consumo da Huawei e impossibilitaram o envio de nossos produtos", escreveu Richard Yu, CEO de negócios ao consumidor da Huawei, em sua conta no WeChat nesta sexta-feira (30).

    Yu explicou que a Huawei perdeu sua participação de mercado no segmento de alta tecnologia na China para a Apple, ao mesmo tempo que perdia o segmento de média a baixa tecnologia para rivais domésticos, incluindo Oppo, Vivo e Xiaomi. Nos mercados internacionais, a Huawei perdeu sua participação de mercado para a Apple, Samsung e outras marcas chinesas, acrescentou o alto executivo.

    Pessoas descansam em frente a uma loja da Huawei em um shopping de Pequim, China, 15 de abril de 2021
    © REUTERS / Tingshu Wang
    Pessoas descansam em frente a uma loja da Huawei em um shopping de Pequim, China, 15 de abril de 2021

    Sanções dos EUA

    Em maio de 2019, a administração de Donald Trump, então presidente dos EUA, adicionou a Huawei em sua "lista negra" econômica, o que proibia as empresas norte-americanas de fazer negócios com a gigante chinesa sem a aprovação prévia do governo dos EUA.

    As sanções criaram sérios desafios para o negócio de smartphones da Huawei, já que a empresa chinesa não apenas perdeu acesso aos populares serviços móveis do Google e ao sistema operacional Android, mas também enfrentou desafios para garantir o fornecimento de microprocessadores para alimentar seus dispositivos.

    No último relatório de ganhos do primeiro trimestre deste ano, as receitas da Huawei caíram 16,5% com relação ao ano anterior, para 152,2 bilhões de yuans (cerca de R$ 125 bilhões). A empresa chinesa disse em um comunicado que a queda na receita foi causada pela venda de sua marca de smartphones Honor em novembro do ano passado, que teria sido vendida como parte dos esforços para minimizar o impacto das sanções dos EUA e permitir que a marca continue a operar de forma independente.

    Por outro lado, a principal rival da Huawei, a Apple, relatou na quarta-feira (28) um crescimento de vendas expressivo no segundo trimestre deste ano. As receitas da empresa norte-americana aumentaram 53,7% em comparação com período homólogo para US$ 89,58 bilhões (R$ 478 bilhões), enquanto as receitas de seu popular iPhone dispararam 65,5%, para US$ 47,94 bilhões (R$ 256 bilhões).

    Mais:

    Decreto de Biden permite aos EUA estender sanções contra dívida soberana da Rússia
    China promete cooperar com Rússia em meio às sanções do Ocidente
    Congresso da Venezuela ratifica lei 'antibloqueio' para contornar sanções dos EUA
    Companhia alemã de software é multada nos EUA em US$ 8 milhões por violar sanções ao Irã
    Tags:
    EUA, sanções, sanções, Huawei, Donald Trump, smartphone, smartphones
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar