06:39 19 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3178
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da China criticou a retirada "precipitada" do contingente militar norte-americano do Afeganistão e apelou às organizações internacionais para acompanharem mais atentamente a situação na região.

    A retirada "precipitada" dos militares norte-americanos do Afeganistão é um golpe no processo de cessar-fogo que decorre dentro do país, afirmou o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, durante uma conversa por telefone com seu homólogo do Paquistão, Shah Mehmood Qureshi.

    "Wang Yi destacou que a retirada precipitada das tropas dos EUA do Afeganistão já se tornou um golpe sério no processo de trégua no Afeganistão, e também prejudicou a estabilidade da região", segundo o comunicado no site da chancelaria chinesa.

    Wang disse que a China espera que as Nações Unidas desempenharão seu papel e que a Organização para Cooperação de Xangai deve acompanhar a questão mais atentamente. Os países vizinhos do Afeganistão devem cooperar.

    "Os países vizinhos do Afeganistão devem reforçar sua cooperação, apresentar uma frente unida e realizar ações coordenadas", disse o ministro chinês.

    Além disso Wang Yi sublinhou que o Paquistão tem tradicionalmente um impacto importante na questão afegã e que Pequim aprecia devidamente os esforços do país para atingir a paz no Afeganistão.

    "Na situação atual a China e o Paquistão devem continuar reforçando a coordenação estratégica, influenciar mais ativamente o processo de normalização no Afeganistão e manter em conjunto a paz e estabilidade na região", de acordo com o chanceler chinês.

    Em meados de abril, a administração do presidente Joe Biden anunciou que em 1º de maio começaria a retirada de suas tropas do Afeganistão, que terminaria até 11 de setembro. No entanto, em fevereiro de 2020, a administração de Donald Trump e o Talibã assinalaram em Doha, no Qatar, um acordo de paz que previa a saída das tropas estrangeiras do país em 14 meses.

    O Talibã (organização proibida na Rússia e em vários outros países) acusou os EUA de violarem o acordo assinado em Doha devido à falha em relação ao prazo inicial da retirada do contingente militar norte-americano.

    Mais:

    Rússia faz apelo a partes em conflito por fim da violência no Afeganistão
    Militares israelenses afirmam ter atingido casa do líder do Hamas em Gaza (VÍDEO, FOTOS)
    'Só deixaram destruição', diz população sobre lixo militar largado por tropas dos EUA no Afeganistão
    Vulnerabilidade da defesa pode provocar colapso dos EUA em caso de conflito militar, aponta revista
    Ato de apoio a palestinos termina com policiais feridos em Londres, dizem autoridades (VÍDEO)
    Tags:
    Paquistão, militares, chanceler, tropas, Afeganistão, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar