21:18 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    142
    Nos siga no

    Autoridades militares de Mianmar disseram nesta terça-feira (27) que acatarão os apelos para parar a violência somente quando o país "retornar à estabilidade".

    Nesta semana, novos combates eclodiram contra um grande grupo rebelde étnico na fronteira oriental do país.

    O líder dos militares, Min Aung Hlaing, participou de uma reunião no último fim de semana em Jacarta, na Indonésia, sobre a crise mianmarense com os líderes da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN). Foi a primeira viagem ao exterior de Hlaing desde que assumiu o poder.

    Os líderes dos países vizinhos emitiram uma declaração de "consenso de cinco pontos" que pedia a "cessação imediata da violência" e uma visita a Mianmar por um enviado especial regional.

    Manifestantes portando armas artesanais de ar comprimido durante protestos contra a junta militar na cidade de Rangum em Mianmar
    © REUTERS / Stringer
    Manifestantes portando armas artesanais de ar comprimido durante protestos contra a junta militar em Mianmar
    Nesta terça-feira (27), o Conselho Administrativo do Estado de Mianmar – como os militares se autodenominam – disse que consideraria as "sugestões construtivas feitas pelos líderes da ASEAN quando a situação retornar à estabilidade no país".

    O comunicado – publicado pelo veículo local Global New Light of Myanmar – também informou que as sugestões de seus vizinhos seriam "consideradas positivamente se [a ASEAN] facilitar a implementação" do roteiro de cinco etapas.

    O porta-voz dos militares, Zaw Min Tun, disse à AFP que o comando do país estava "satisfeito" com a viagem, dizendo que havia sido capaz de explicar a "situação real" aos líderes da ASEAN.

    A ASEAN, no entanto, não é conhecida por sua influência diplomática e especialistas questionam a eficácia com que ela pode influenciar os acontecimentos no país.

    O ex-embaixador dos EUA em Mianmar, Scot Marciel, alertou que a resposta dos militares à ASEAN já mostra sinais de retrocesso.

    Concordo com Richard Horseu [analista político] que A ASEAN não pode hesitar aqui, já que os militares se movem para retroceder até mesmo o acordo limitado alcançado no sábado [24]. Deve haver um acompanhamento urgente e custos impostos aos militares por atrasos. Há um motivo pelo qual ninguem em Mianmar confia no Tatmadaw [Forças Armadas de Mianmar].

    Manifestações em Mianmar

    Em 1º de fevereiro, poucas horas antes da constituição do novo Parlamento de Mianmar, os militares deram um golpe de Estado e prenderam vários líderes políticos, incluindo o presidente Win Myint e a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi, decretando estado de emergência por um ano.

    Os comandantes do Exército justificam o golpe com alegações de fraude nas eleições de novembro passado, que deram vitória à Liga Nacional para a Democracia.

    O golpe gerou repúdio internacional e fez eclodir uma onda de protestos diários em Mianmar, com milhares de pessoas desafiando a violenta repressão militar. Mais de 750 civis morreram nas manifestações segundo um grupo local de monitoramento.

    Manifestantes se protegem atrás de barricadas durante protesto reprimido pelos militares, em Mandalay, Mianmar, em 27 de março de 2021
    Manifestantes se protegem atrás de barricadas durante protesto reprimido pelos militares, em Mandalay, Mianmar, em 27 de março de 2021

    Mais:

    EUA e Reino Unido endurecem sanções contra militares de Mianmar, que seguem reprimindo protestos
    Grupos armados de Mianmar aumentam chance de guerra civil no país, diz enviada da ONU
    Embaixadora dos EUA exige ação da ONU para 'salvar a vida do povo' de Mianmar
    Rússia oferece ajuda para encontrar meios de normalizar situação em Mianmar
    Tags:
    Min Aung Hlaing, militares, Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), conflitos, Mianmar, Mianmar, Exército de Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar