18:34 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 13
    Nos siga no

    Pelo menos cinco pessoas foram mortas neste domingo (14) em Mianmar, enquanto os manifestantes continuam a desafiar o governo militar que tomou o país.

    Um grupo de parlamentares depostos pede aos manifestantes para "se defenderem" durante o "momento mais sombrio" da nação, segundo publicou a AFP.

    Mianmar está em crise desde que os militares depuseram a líder Aung San Suu Kyi em um golpe de Estado em 1º de fevereiro, desencadeando uma revolta em massa, com centenas de protestos diários pelo retorno da democracia.

    Manifestantes no chão durante protestos contra golpe militar na cidade de Mandalay, Mianmar, 3 de março de 2021
    © REUTERS / Stringer
    Manifestantes no chão durante protestos contra golpe militar na cidade de Mandalay, Mianmar, 3 de março de 2021

    A junta militar justificou repetidamente sua tomada de poder alegando fraude eleitoral generalizada nas eleições de novembro do ano passado, que o partido Liga Nacional para a Democracia de Suu Kyi venceu com uma vitória esmagadora.

    Em resposta, um grupo de parlamentares eleitos, muitos dos quais estão escondidos, formou um "parlamento" paralelo chamado Comitê para Representar Pyidaungsu Hluttaw (CRPH), termo em birmanês para o bloco governante do país, a fim de denunciar o governo militar.

    Neste domingo (14), eles divulgaram um comunicado dizendo que os manifestantes têm "pleno direito de se defender" de acordo com o código penal do país contra as forças de segurança que estão "prejudicando e causando violência".

    Mais:

    União Europeia planeja sancionar autores do golpe de Estado em Mianmar
    Mianmar: 3 manifestantes morrem em protestos e trabalhadores fazem paralisação
    Coreia do Sul cancela apoio de defesa e proíbe exportação de armas para Mianmar em meio a protestos
    Tags:
    crise, golpe, Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar