22:46 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    211243
    Nos siga no

    Em uma declaração conjunta ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, vários países, incluindo Rússia, China, Egito e Venezuela, condenaram os assassinatos e abusos ilegais de civis cometidos por militares australianos no exterior.

    Os países denunciaram a Austrália no Conselho de Direitos Humanos da ONU por suas graves violações dos direitos humanos. Eles querem que o governo australiano inicie uma investigação sobre a morte de civis e outros crimes por tropas australianas no exterior.

    Ao mesmo tempo, a declaração expressou profunda preocupação com a prática da Austrália de estabelecer centros de detenção offshore em outros países.

    O comunicado, escreve o Global Times, observou que esses centros de detenção não oferecem condições médicas adequadas. Um grande número de imigrantes, refugiados e requerentes de asilo foram detidos durante um longo período de tempo, alguns indefinidamente, e os seus direitos humanos foram violados.

    A China e outros países instaram a Austrália a fechar imediatamente todos os centros de detenção offshore e a tomar medidas concretas para salvaguardar os direitos de grupos de imigrantes vulneráveis, especialmente crianças.

    A declaração conjunta também expressou preocupação com o fenômeno crescente de discriminação racial na Austrália, o aumento da violência contra as mulheres e os direitos desprotegidos dos povos indígenas no país, conclamando o país a proteger efetivamente os direitos humanos.

    Mais:

    Macron teme que África compre vacinas de Rússia e China se EUA e Europa demorarem para agir
    Especialista: ao incentivar Rússia e China a se unirem, EUA criam rival invencível
    ONU: sanções dos EUA contra Rússia e China violam direitos humanos e pactos internacionais
    Tags:
    crise de imigrantes, imigrantes ilegais, imigrantes, guerra, Conselho de Direitos Humanos da ONU, exército, oriente médio, terrorismo, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Austrália, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar