22:42 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2111
    Nos siga no

    Milhares de manifestantes foram às ruas de Mianmar neste domingo (7) para protestar contra o golpe de Estado no país, ocorrido há uma semana.

    Este é o segundo dia de protestos, que conta com ainda mais pessoas que as manifestações deste sábado (6). A população milita a favor da líder deposta Aung San Suu Kyi, que está em prisão domiciliar.


    Muitos jovens compareceram aos protestos. Sucessivas juntas militares governaram Mianmar de 1962 a 2011, quando o governo começou a abertura do país. Por isso, as novas gerações não querem o retorno aos tempos difíceis enfrentados pelos mianmarenses ao longo de décadas.

    "Não queremos uma ditadura para a próxima geração ou para nós", disse Thaw Zin, um jovem de 21 anos em meio ao mar de pessoas na cidade de Yangon, conforme noticiado pela Reuters.

    A ONU estimou, em uma nota para seus próprios funcionários, que não foi divulgada, que cerca de 60 mil pessoas estiveram nas ruas em Yangon, e cerca de mil em Naypyidaw, segundo o G1.

    O melhor de hoje. Nós podemos. Lutamos pelo nosso futuro até o fim. Chega de silêncio. Salvem os cidadãos de Mianmar.

    Nas manifestações, o gesto com três dedos levantados virou um símbolo de resistência e protesto. A saudação é inspirada nos livros e filmes "Jogos Vorazes".

    ​Nós lutaremos até o último minuto e nossa revolução começou hoje. Salvem os cidadãos do Mianmar. #OQueEstáAcontecendoEmMianmar #NósVotamosLND [Liga Nacional pela Democracia]

    Nesta sexta-feira (7), o presidente de Mianmar, Win Myint, preso pelos militares durante o golpe de 1º de fevereiro, foi transferido do Palácio Presidencial a outro edifício desconhecido. No dia seguinte, Sean Turnell, um assessor econômico australiano de Suu Kyi, confirmou que "estava sendo detido" pelo governo militar do Mianmar.

    Mais:

    Mianmar: polícia acusa Suu Kyi de posse ilegal de equipamentos de rádio
    O que aconteceria com Mianmar se EUA impuserem novas sanções?
    Conselho de Segurança da ONU expressa 'profunda preocupação' após golpe em Mianmar
    Associação de presos políticos em Mianmar reporta 133 detidos após golpe militar
    Biden exige que militares de Mianmar 'renunciem ao poder'
    Tags:
    Aung San Suu Kyi, Yangon, junta militar, golpe militar, protesto, Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar